14 de junho de 2021
Campo Grande 27º 13º

Quer montar bar ou restaurante? Leia antes estas dicas

ais de um terço dos estabelecimentos do ramo fecham antes de completar 1 ano. Conheça os principais desafios do setor e como lidar com eles

A- A+

Poucas atividades do comércio têm a capilaridade de bares e restaurantes. Eles estão presentes em todos os municípios brasileiros, não importa o tamanho. O setor de alimentação e bebidas abriga 1,2 milhão de empresários no país. Mas, de acordo com a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel/SP), apenas 3 em cada 100 estabelecimentos do ramo se mantêm abertos por mais de 10 anos – 35% deles baixam as portas definitivamente antes de completar 12 meses de funcionamento.

Os desafios que o setor apresenta são muitos, e costumam pegar desprevenido quem acredita que gostar de cozinhar e de servir é o suficiente para gerenciar um negócio cercado de sutilezas. Confira as principais dificuldades que os restaurantes e bares apresentam e conheça algumas sugestões para lidar com elas.

O ambiente

O ideal é dispor mesas e cadeiras de forma confortável para os clientes, segura para a passagem dos garçons e, ainda assim, abrigar a maior quantidade possível de consumidores. Escolha móveis ergonômicos e confortáveis. Quando bem resolvida, a decoração se torna um atrativo por si só. Faz o cliente não ter vontade de ir embora. Outro ponto fundamental é a limpeza: qualquer descuido pode comprometer o negócio.

A organização

Dentro da cozinha, em especial, funções bem definidas e uma rotina estabelecida são fundamentais. Nenhum cliente fica satisfeito quando percebe que a mesa ao lado, ocupada bem depois, foi atendida antes. É sempre bom o garçom informar ao cliente que determinado pedido precisa de mais tempo para ficar pronto – e aproveitar para oferecer uma bebida ou tira-gosto.

A manutenção do estoque

O desperdício é um dos maiores ralos de dinheiro de um restaurante. Se sempre sobra o mesmo tipo de comida no prato dos clientes, reveja o tamanho das porções. Embalagens mal fechadas ou máquinas desreguladas não podem passar batido. “Uma nutricionista deverá ser a responsável técnica do estabelecimento”, diz Dâmaris de Luca, diretora de Novos Negócios da LC Restaurantes, especializada em montar e manter restaurantes em ambientes corporativos.

O cardápio

É tão importante que deve ser produzido em conjunto pelo chef e pelo maître. De preferência, antes de se montar a cozinha – ou então, o local pode acabar refém de uma receita que demande um equipamento próprio, inútil para outros itens do menu. Uma dificuldade é definir o preço correto: precisa ser competitivo em relação aos bares e restaurantes vizinhos e, ao mesmo tempo, levar em conta as despesas diárias. Para ingredientes que variam muito de preço, estabeleça uma média.

A qualificação dos funcionários

É comum que chefs ou líderes de garçons sejam muito bem pagos e, às vezes, até se tornem sócios dos patrões. Não por acaso: como todo setor que exige carga horária em fins de semana e à noite, este tem muita rotatividade de trabalhadores. Fica difícil manter a qualidade no atendimento. “Você precisa ter uma área de RH, para selecionar, treinar e formar uma boa equipe de trabalho”, afirma Dâmaris.

A segurança

Garçons escorregam. Cozinheiros se cortam com latas ou facas. Assistentes se queimam. A quantidade de situações de risco em um negócio desse gênero é enorme. Mas pode ser reduzida com a disposição correta dos espaços, o treinamento intensivo de funcionários e o estabelecimento de normas claras de higiene e de segurança. Saídas de emergência adequadas também são fundamentais.

As leis 

Lei do silêncio, lei antifumo, carga tributária elevada. Se não estiver preparado para a burocracia e para os custos que fazem parte da rotina do setor, o empresário não vai longe. Mantenha sempre o contador bem informado. A legislação trabalhista do setor, por exemplo, muda com frequência e é cheia de detalhes em relação a hora-extras.