MS Notícias

sbado, 04 de julho de 2020

ARTIGO

Covid-19, ciência, sociedade e políticas públicas

A construção de um sistema de ciência e de tecnologia leva tempo e requer recursos de maneira sustentável

Por: FRANCO M. LAJOLO30/06/2020 às 14:10
ComentarCompartilhar
Franco M. Lajolo*Franco M. Lajolo*Foto: Marcos Santos | MS Notícias

A emergência relativa à Covid-19 reforça a importância da pesquisa científica, uma das mais poderosas formas de gerar conhecimento, cada vez mais essencial para entendermos o mundo e vivermos melhor. Exemplos disso são as vacinas, as respostas à necessidade de produzir alimentos para os mais de sete bilhões de habitantes da Terra, a redução das doenças e o bem-vindo aumento da longevidade. É importante que a sociedade esteja consciente desse papel, o que requer, dos cientistas, esforço grande de comunicação, visando elaborar informação séria e compreensível para além do restrito círculo dos seus pares.

A construção de um sistema de ciência e de tecnologia leva tempo e requer recursos de maneira sustentável, o que - infelizmente - não tem sido uma constante no Brasil. Em épocas de crise, como agora, fica cada vez mais visível a importância da pesquisa e do conhecimento. Cientistas estão se mobilizando como nunca. Instituições trabalham colaborativamente, procurando entender como a Covid-19 atua na célula, ensaiando e produzindo fármacos para combatê-la. Editoras científicas disponibilizam seus acervos e agilizam a publicação de estudos. Ou seja, a ciência nunca se moveu tão rapidamente.

Em termos globais, há 136 distintas vacinas contra o novo coronavírus em desenvolvimento. O Instituto Butantan e a Unifesp, em parceria com laboratórios internacionais, iniciam, em breve, ensaios clínicos de duas delas. Dentre os medicamentos, há mais de 1.500 em andamento no mundo. Desde o início da pandemia, os institutos, universidades, empresas, mídia e grupos de pesquisa brasileiros mobilizaram-se num esforço de integração transdisciplinar e interinstitucional, dentro e fora do País. Redefiniram-se planos de estudos e agências como a Fapesp destinaram fundos para projetos emergenciais. Isso permitiu diálogo científico de alto nível e participação do País em esforços internacionais.

Simultaneamente, porém, revelaram-se nossas deficiências na estrutura hospitalar, na notificação epidemiológica e nos recursos disponíveis. Isso deixou ainda mais claro o importantíssimo papel da ciência e de nossas instituições de pesquisa, que reagiram com agilidade ao desafio, mostrando por que é essencial manter um sistema sólido e internacionalizado na área, o que exige políticas de longo prazo e continuidade de financiamento público.

A ciência é hoje grande protagonista: pauta o debate, propõe formatos para fomento de P&D e deve balizar políticas públicas. É essencial compartilhar o conhecimento que gera com a sociedade para que, informada, ela não fique refém de afirmações distorcidas e fake news e não permita a politização da saúde e do medicamento, como demonstra o seguinte exemplo: a ausência de pesquisas que evidenciem efeitos preventivos da cloroquina e a desinformada solicitação dela lembram a situação de quando a USP foi obrigada, por decisão judicial, a produzir e distribuir fosfoetanolamina para tratamento do câncer, o que - já se sabia - era ineficaz. A decisão foi revogada, mas custou caro.

A Covid-19 deixará marcas e impactará o futuro. Ainda não sabemos como. Porém, temos consciência de que, diante de problemas cada vez mais globais, como pandemias, questões ambientais e de segurança, será crescente a importância da interdisciplinaridade, da internacionalização e da colaboração mundial. Ao lado disso, o diálogo com a sociedade será a contraparte de políticas públicas solidamente apoiadas na melhor ciência.

Talvez, então, se possa acreditar que as transformações que o novo coronavírus está exigindo quanto ao modo de fazer ciência e de divulgá-la representem um bem-vindo anúncio do futuro que veio para ficar.

AUTOR: É graduado em Farmácia Bioquímica, doutor em Ciência dos Alimentos e pós-doutor pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (Cambridge/EUA). É Professor Emérito da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (USP), da qual foi Vice-Reitor.

Deixe seu Comentário

TV MS

22 de junho de 2020
Pagamentos pelo WhatsApp já estão disponíveis no Brasil
Pagamentos pelo WhatsApp já estão disponíveis no Brasil

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua referência em jornalismo no Mato Grosso do SulRua José Barnabé de Mesquita, 948
CEP 79100.200 - Vila Duque de Caxias
Campo Grande/MS
 (67) 99309.8172

Editorias

Institucional

Mídias Sociais

© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma