27 de setembro de 2020
Campo Grande 39º 25º

Socorro

Criança de 4 anos torturada pela mãe ficou 12 horas sem socorro

Dois dos cinco filhos da mulher que foi presa por tortura estão sob a guarda dos avós paternos

A criança de 4 anos torturada pela mãe de 25 anos ficou pelo menos 12 horas fechada em um quarto sem alimentação e curativos nos ferimentos causados pela agressão. O caso aconteceu na noite de quarta-feira (8), no Bairro Nova Aliança, em Ladário, distante 419 quilômetros de Campo Grande. Somente no outro dia de manhã, o Conselho Tutelar recebeu denúncia anônima e foi até o local. 

 

A mulher passará nesta sexta-feira (10) por audiência de custódia na Justiça, para definir se ficará presa esperando o andamento do inquérito e posterior processo ou se poderá responder em liberdade. 

Segundo o delegado Luca Venditto Basso, que atendeu o caso, a mulher disse que bateu no filho porque ele contou que havia sido abusado. Ela, então, ficou brava com a situação e agrediu o menino porque ele havia deixado o fato acontecer. Além da criança, a autora tem mais quatro filhos com idades de 8 meses, 2 anos, 6 anos e 8 anos.

A mulher já tinha perdido a guarda dos dois filhos mais velhos. Eles estão sob proteção dos avós paternos. Já os três mais novos que ainda viviam com a mãe foram para um abrigo. Denúncia como esta pode ser feita pelo telefone 67 9-9668-1679. 

Marcas nas costas e de queimaduras (antigas) na mão e no braço do menino (Foto: divulgada pelo site Folha MS)
Marcas nas costas e de queimaduras (antigas) na mão e no braço do menino (Foto: divulgada pelo site Folha MS)

Tortura - Na tarde desta quinta-feira (9), a Polícia Civil de Ladário prendeu em flagrante a mulher pelo crime de tortura-castigo contra o filho de 4 anos. 

Após receberem denúncia de maus-tratos, conselheiras tutelares foram até o local indicado e encontraram a criança fechada em um quarto como forma de castigo, tremendo e muito assustada. 

A vítima apresentava diversos hematomas e lesões pelo corpo, costas, rosto, orelha e mãos, além de várias cicatrizes aparentemente de queimaduras. As conselheiras acionaram policiais civis, que foram ao local e deram voz de prisão à mãe. O menino foi levado para uma unidade de saúde e submetido ao exame de corpo de delito.

Indagada pelo delegado sobre as marcas de queimaduras na não e no braço do menino, a mulher respondeu que quando ele tinha 3 anos caiu numa fogueira. A mãe foi presa em flagrante pelo crime hediondo de tortura-castigo, cuja a pena varia de 2 a 8 anos de prisão. Por envolver criança, o nome da mãe será preservado por imposição do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente).