16 de outubro de 2021
Campo Grande 26º 20º

Assédio sexual

DJ denuncia 'playboys' por assédio sexual em boate de Campo Grande

“Começaram a abusar de forma explícita das minhas amigas, passaram a mão, tentaram beijar", disse nas redes sociais

A- A+

Uma DJ de 25 anos usou as redes sociais para desabafar sobre assédio sofrido por parte de 'playboys' em uma boate no bairro Monte Castelo, em Campo Grande.

O caso aconteceu na última sexta-feira (3). No relato, ela conta que tinha sido contratada no local, quando, na madrugada, quatro homens começaram o assédio em frente à boate.

“Resolvemos entrar e ficar em uma mesa, os 4 homens entraram no bar e pediram pra usar nossa mesa pra colocar suas cervejas, eu disse não porque estava ocupada, insistentemente eles colocaram o balde na nossa mesa, sem nenhum respeito. Eu pedi educadamente para que retirassem e chamei o segurança”, diz nas redes sociais, para o público que a acompanha.

De acordo com o relato, um deles foi grosseiro e mal educado.

“Eles tiraram e um dos 4 colocou novamente o balde na mesa e disse que ia usar a mesa sim, e repetiu por mais 3 vezes, os amigos tiravam o balde e ele colocava novamente”.

“Saímos de perto e eles começaram a se aproximar, resolveram começar a tirar fotos e fazer vídeos pra que eu e minhas amigas saíssemos nas fotos, insistentemente repetiram por horas as mesmas atitudes”, destacou.

A DJ conta que, na ocasião, os homens começaram a abusar das amigas dela.

“Começaram a abusar de forma explícita das minhas amigas (passaram a mão, tentaram beijar, se elas dançavam eles tentavam passar suas partes íntimas nelas e etc...) e isso foi visto por várias pessoas e elas pediram educadamente para que eles parassem e sem respeito algum eles não pararam, tiraram fotos, fizeram vídeos e mesmo depois de eu repetir dezenas de vezes para que parassem eles não respeitaram”.

Ainda na postagem, a DJ deixa claro que se posicionou devido às notícias que circularam. A equipe do TopMídiaNews tentou contato com a DJ, mas até o fechamento desta reportagem, não teve resposta.

O caso foi registrado como importunação sexual na Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher).