05 de dezembro de 2021
Campo Grande 33º 23º

NACIONAL | FOME ASSOLA O BRASIL

Em frente ao supermercado, moradores brigam por alimentos no caminhão do lixo; vídeo

"Cenas ficam cada vez mais corriqueiras", dizem pessoas que vivem nas proximidades do supermercado

A- A+

Moradores, a maioria mulheres, de jovens a idosa, foram filmadas se empurrando dependuradas em um caminhão de resíduos (lixo) descartáveis, na porta de um supermercado no Bairro Cocó, área nobre de Fortaleza. A reportagem é do g1.  

As imagens foram feitas pelo motorista de aplicativo André Queiroz em 28 de setembro, mas o vídeo só foi compartilhado nas suas redes sociais no domingo (17.out.21).  

“Pois é, muito triste. Existem cenas como essa sempre naquela região. Sempre vejo, mas não como essa daí. Por isso resolvi filmar. É bem impactante”, disse André Queiroz.

Um funcionário do supermercado que preferiu não se identificar afirmou que a cena acontece todas as semanas, e crianças também buscam comida que seria jogada em um lixão. “É isso aí que você vê no vídeo. Faz pena ver essas pessoas nessa situação humilhante. São idosos e até crianças, algumas vezes. As crianças chegam a entrar no caminhão. Os próprios lixeiros ficam sensibilizados. Alguns chegam até ajudar”, lamentou.

VEJA O VÍDEO 

FOME ASSOLA O BRASIL

O funcionário ainda afirmou que durante a pandemia a cena ficou cada vez mais corriqueira. Ele disse que a procura antes era por materiais recicláveis. “Eram catadores que procuravam material para ser reciclado. Hoje o que vemos aqui é gente atrás de se alimentar. Eles pegam tudo. Hortaliças, mortadela, pão vencido e também as frutas. Uma cena de cortar o coração”, completou.

Atualmente, 19 milhões de brasileiros acordam sem a certeza de que terão ao menos uma refeição para o dia. Dois anos atrás, eram 10 milhões. Com o crescimento da fome no país, houve registro de cenas como a ocorrida em Fortaleza.

No Ceará, cerca de 1 milhão de pessoas vive na extrema pobreza, com renda mensal de até R$ 89, conforme o Ministério da Cidadania.

Em Cuiabá, a distribuição de pedaços de ossos com retalhos de carne tem formado filas. O açougue, que distribui os ossos há dez anos, disse que isso acontecia antes apenas uma vez por semana e, agora, são três.

Pesquisadores que acompanham os desdobramentos sociais da pandemia afirmam que a dificuldade de milhões de brasileiros em se alimentar de maneira saudável vai ter impacto nas próximas gerações. A fome e a má alimentação podem gerar sérios problemas de saúde e desenvolvimento em crianças e adultos.

“As crianças têm um período de crescimento acelerado em que precisam de determinados nutrientes e de determinado aporte energético. Se elas não têm isso por um curto espaço de tempo, isso vai impactar no peso dela. Isso às vezes gera problemas escolares, atraso no desenvolvimento. Nos adultos, mesmo que eles não precisem de energia para crescer, tem prejuízo no sistema imunológico, na forma como se enfrentam doenças”, disse Elisabetta Recine, do Observatório de Políticas de Segurança Alimentar e Nutricional da Universidade de Brasília.

"É um país que, para se recuperar, vai demorar muito mais tempo do que se nós tivéssemos investido em ter condições mínimas de qualidade de vida mesmo numa crise como esta da pandemia", afirmou.