02 de dezembro de 2020
Campo Grande 33º 23º

TECNOLOGIA

Pagamentos por aproximação crescem 69% durante a pandemia, aponta estudo

Entenda porque o método de pagamento por aproximação se tornou tão popular no período da pandemia e saiba se isso pode se tornar uma realidade para a maioria dos brasileiros mesmo depois que a crise passar!

A pandemia causada pelo novo coronavírus atingiu o mundo inteiro de diferentes formas. Todo mundo parece estar reaprendendo a viver sob novas regras de emergência e há uma mudança brusca nos hábitos cotidianos. Ir ao mercado, por exemplo, não é mais uma tarefa tão simples, em muitas casas se tornou uma verdadeira tática de guerra, que depende de planejamento, cuidados e uma boa execução, além claro, do uso dos equipamentos de proteção necessários.

Dessa forma, tudo o que puder ser feito para minimizar o contato humano, e logo, o contágio, é rapidamente levado em consideração. Por conta disso, pesquisas apontam um crescimento no número de pagamentos realizados através de aproximação, disponíveis em cartões como o Calcard Visa.

Ações como essa podem diminuir o avanço da doença e baixar a curva de contágio, mesmo que pareça o contrário. Quanto menor for o contato com pessoas ou superfícies contaminadas, menor é a taxa de propagação do vírus. Segundo um estudo realizado em março, 88% dos entrevistados concordam que o método de pagamento por aproximação é o mais indicado para o momento atual. 

Apesar de já estar presente no Brasil, a tecnologia contactless ainda não é muito bem difundida pela população e nem tão utilizada quanto deveria ser nesse momento de prevenção. 

Por enquanto, o limite de compras por essa modalidade está fixado em R$ 50 e, antes da pandemia, a porcentagem dos brasileiros que faziam uso desse tipo de pagamento era ainda muito baixa, mas isso vem mudando ao longo dos meses. 

CRESCIMENTO DO NÚMERO DE PAGAMENTOS CONTACTLESS 

De acordo com um estudo realizado no Brasil, em março, o número pagamentos por aproximação foi 4 vezes maior em relação ao mesmo período do ano passado. A explicação para o salto está no surto de Covid-19 e nas recomendações sanitárias indicadas pelas organizações de saúde de evitar qualquer tipo de contato.

Por conta do medo instaurado e com o objetivo de evitar o contágio e também a disseminação do coronavírus, muitas pessoas passaram a optar pelo pagamento através da aproximação do cartão de crédito. Segundo os resultados, 69% dos brasileiros passaram a realizar pagamentos contactless após o início da pandemia e esse número vem crescendo mês a mês.

PAGAMENTOS POR APROXIMAÇÃO AO REDOR DO MUNDO 

Aqui no Brasil, aos poucos os consumidores estão incorporando o pagamento por aproximação na rotina. Segundo uma pesquisa realizada pela bandeira Visa, países da América Latina e do Caribe estão aderindo cada vez mais a esse método seguro de pagamento. A pandemia causada pelo Covid-19 certamente está ajudando a acelerar esse processo. 

Ainda nessa região, somente nos três primeiros meses de 2020, mais de 13 milhões de novos usuários realizaram sua primeira compra por aproximação ou retornaram a esse método de pagamento após uma pausa de mais de um ano. Isso significa que 20% dos consumidores nos últimos meses são novos usuários da tecnologia contactless. 

TENDÊNCIAS PARA O FUTURO

Apesar do aumento das compras de itens essenciais através da internet, a grande maioria dos consumidores da região da América Latina e do Caribe ainda acredita que há muitos produtos que merecem uma visita à loja física para serem comprados, como roupas e legumes. Nesses casos, o pagamento por aproximação está sendo o mais usado pelos clientes. 

No mundo todo foi possível observar os benefícios do pagamento por aproximação por causa da pandemia. No momento em que a saúde e a manutenção da higiene está em jogo, os consumidores passaram a modificar seus hábitos. Ainda que os impactos causados pela pandemia de Covid-19 não possam ser mensurados de maneira precisa por enquanto, as pesquisas realizadas até agora indicam uma migração definitiva para o E-commerce. 

A mesma pesquisa realizada pela Visa e citada anteriormente revela que nos últimos três meses o pagamento em dinheiro foi o método menos utilizado, ficando atrás dos cartões de débito e crédito.

Dessa forma é possível perceber que certos hábitos criados durante o período de quarentena têm grandes chances de se estabelecerem no mundo pós pandemia.