31 de outubro de 2020
Campo Grande 26º 18º

Nova Alvorada do Sul: Polícia investiga se arma foi "plantada" em carro de vereador

O delegado titular da PC (Polícia Civil) de Nova Alvorada do Sul, Christian Duarte Molineto afirmou hoje pela manhã ao MS Notícias que irá instaurar um inquérito policial para investigar se arma encontrada no interior do carro do vereador Paulo Puffy (PT), preso na noite de ontem, foi "plantada" e de fato não pertence ao vereador. Puffy foi preso ontem por volta das 21h, conforme explica o delegado, por porte ilegal de arma. Depois de receber uma denúncia anônima, a PM (Polícia Militar) foi até à Câmara de Vereadores onde se realizava a sessão ordinária e efetuou uma busca no carro do vereador quando encontrou o projétil, de calibre 38 carregado com cinco munições, cuja numeração estava raspada, o que agrava o crime que pode acarretar de seis meses a seis anos de prisão, segundo delegado. Em depoimento, segundo delegado, o vereador nega que a arma seja sua e afirma que tudo não passa de uma orquestração para prejudicá-lo devido às denúncias que ele tem apresentado na Câmara acerca da administração do prefeito Juvenal Assunção Neto (PSDB) que é investigado por mau uso de recursos públicos pelo MPE (Ministério Público Estadual) por adquirir alimentos superfaturados para merenda escolar e possivelmente por privilegiar determinadas empresas nas licitações. O delegado explicou que a arma já foi encaminhada para perícia técnica da PC, que irá descobrir se existem digitais na arma e também se há algum registro do projétil no sistema de dados da PC caso tenha pertencido a outra pessoa ou seja oriunda de um furto por exemplo. O vereador ainda está preso, e, segundo o delegado, Puffy depende de uma decisão judicial para que seja estipulado um valor de fiança possibilitando que ele seja solto. A prisão do vereador causou comoção em massa da população de Nova Alvorada do Sul que por meio das redes sociais está declarando apoio ao vereador e cobrando da polícia uma investigação rigorosa sobre o caso. "Desde ontem temos visto mensagens no Facebook de pessoas indignadas cobrando que a polícia investigue e quero informar que a polícia já está investigando todas as possibilidades", afirma o delegado. Heloísa Lazarini