01 de outubro de 2020
Campo Grande 41º 24º

VIOLÊNCIA

Repórter fotográfica é assassinada e imagens de manifestação no Chile desaparecem

Albertina Martínez Burgos foi encontrada morta em seu apartamento no centro de Santiago, Chile. Sua família e "Nem um menos o Chile" denunciam que todos os arquivos de sua cobertura da repressão desapareceram. Ela registrava ações violentas dos policiais

A declaração foi dada pelo coletivo Ni una menos: “Albertina Martinez Burgos, uma fotógrafa de 38 anos, foi encontrada morta em circunstâncias estranhas em seu apartamento localizado no centro de Santiago. Albertina estava documentando a situação no Chile e participou ativamente como fotógrafa nas manifestações. Ele documentou a violência contra mulheres jornalistas e comunicadoras. Hoje exigimos que as causas de sua morte sejam esclarecidas, sem mencionar que nem o computador nem a câmera estavam em seu apartamento no momento em que fora encontrada sem vida. Não vamos esquecer o nome dela, não vamos esquecer o rosto dela.

Não é necessário adicionar muito a essas informações, porque a gravidade do caso é óbvia. As autoridades responsáveis pela investigação (que são os mesmos policiais que Albertina estava investigando) falam de um “suposto” assassinato. Ela foi encontrada com várias facadas e o material fotográfico de sua investigação desapareceu … presume-se o assassinato! A forma fria com que definem o que aconteceu parece demonstrar culpa deles", disse.

Os relatórios dispersos, as denúncias nas redes sociais, os múltiplos testemunhos que se estendem por todo o Chile mostram que a escalada repressiva é de uma gravidade muito mais ampla do que aquela que o governo Piñera ousa reconhecer. Para todo o mundo, está se tornando mais do que evidente que existe uma política sistemática de violência brutal contra manifestantes e o povo chileno em geral. O regime pós-Pinochet tem muito a perder.

Ontem, porta-vozes de Piñera haviam acusado o relatório da situação dos direitos humanos no Chile como "irresponsável" durante as manifestações preparadas pela Anistia Internacional. A "negação" se baseava no fato de que o órgão que emitiu o que constitui um verdadeiro ato acusatório a havia preparado sem antes consultar as autoridades. Belo "relatório" sobre a repressão que poderia resultar da consulta prévia dos repressores.

A Anistia Internacional chegou em seu relatório à conclusão de que a política coordenada, deliberada e sistemática de violência brutal contra os manifestantes só pode significar que os mais altos comandos encorajam. É uma política sistemática do estado chileno contra as pessoas em luta: “eles realizaram ataques generalizados contra a população, usando a força desnecessária e excessivamente com a intenção de prejudicar e punir aqueles que bravamente continuam no ruas exercendo seus direitos de liberdade de expressão e de reunião pacífica ”, avaliou.

Por seu lado, o Instituto Nacional de Direitos Humanos divulgou números que falam de 26 mortos, 2300 feridos, 287 pessoas com trauma ocular grave (de tiros nos olhos), 1100 queixas de tortura e 70 casos de abuso sexual de mulheres por parte dos repressores. Por trás dos números está a própria vida, com toda a sua brutalidade. As imagens desses números que, para desgosto e indignação do mundo, Albertina Martínez Burgos queria mostrar, desapareceram convenientemente.

Fonte: Izquierdaweb