21 de outubro de 2020
Campo Grande 29º 21º

Cury fica na direção do Samu até recuperar “retrocesso” provocado por Ivandro

O novo coordenador do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), José Eduardo Cury, pretende ficar no comando da pasta apenas por tempo suficiente para recuperar o que ele considera um “retrocesso” na saúde de Campo Grande com a gestão do ex-secretário municipal de saúde pública, Ivandro Fonseca.

“Confesso que só aceitei o convite pelo respeito ao prefeito Gilmar Olarte (PP) e à população porque as críticas ao serviço aumentaram muito. Fiz um acordo com o prefeito que ficaria tempo suficiente para recolocar o Samu dentro da política nacional de emergência. Espero montar uma boa equipe, que eu consiga trabalhar bem, e acredito que em 90 a 120 dias trabalhando intensamente eu faço isso”, declarou

Cury confessa que não pretendia aceitar o cargo, pois encontrou no Samu problemas graves de gestão, incluindo a perda de R$ 100 mil de recursos federais que deveriam ser utilizados para compra de equipamentos médicos. De acordo o coordenador, Ivandro tinha um recurso de R$ 150 mil, usou inadequadamente R$ 49 mil na compra de móveis para o setor e perdeu o resto do montante.

“Eu estava relutante em retornar porque na verdade a gestão do Ivandro Fonseca desmanchou a saúde. Não é que não andou ou andou pouco, a saúde retrocedeu em Campo Grande. Ou seja, estou encontrando um Samu que está depauperado. Vamos começar tudo de novo”, desabafou.

Eduardo Cury ainda não teve acesso aos detalhes do orçamento, mas trabalha hoje com cinco ambulâncias básicas, duas avançadas e dois carros menores que podem ser usados no transporte de crianças e pessoas com fraturas leves. No momento, Cury não planeja contratar mais profissionais, mas pretende reativar o centro de capacitação.

Apesar de enfatizar que planeja ficar temporariamente, admite que pode ficar mais tempo na coordenação do Samu se o prefeito precisar. Entre os planos para o futuro, Cury pretende instalar ambulâncias especiais para crianças e para pacientes psiquiátricos, além de montar equipes de capacitação para preparar voluntários.

Mesmo com mudanças nos planos, Semadur deve continuar com PT do B

Segundo Eduardo Cury, apesar de ser uma prerrogativa do prefeito, tudo indica que a novo titular da Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano) será indicado pelo PT do B (Partido Trabalhista do Brasil). “Tenho a impressão que até segunda ou terça-feira vai ter um nome”.

Cury poderia assumir uma vaga na Câmara Municipal se um dos vereadores de seu partido tivesse aceitado a proposta para a Semadur, mas o coordenador afirma não estar desapontado com a decisão dos colegas e revela que também recebeu o mesmo convite.

“Com toda a sinceridade, a Câmara se esgotou para mim quando acabou a eleição. Tenho 38 anos exercendo a medicina, foi a primeira vez que me candidatei, não para mudar de profissão, mas porque eu tinha projetos de qualificação da saúde pública que necessitavam sair de outros níveis. Mas eu tenho uma ótima relação com partido, me foi oferecido a Semadur não só pelos vereadores como também pelo prefeito, e nós não aceitamos porque não queremos ser secretário por vaidade ou por status. Existem pessoas com qualificação técnica melhor que a minha e a dos vereadores”, pontuou.

Cury ainda deixou no ar que o vereador Flávio Cézar recusou o cargo por ter interesse em assumir a presidência da Câmara Municipal em 2015 e que o vereador Eduardo Romero possa ser o próximo pré-candidato a deputado federal do partido.

Redação