25 de junho de 2021
Campo Grande 30º 19º

Aperto

Acendeu o alerta e governo terá que cortar ate R$ 80 bilhões no Orçamento

Resultados decepcionantes obrigam o governo a fazer um corte do Orçamento R$ 70 bilhões e R$80 bilhões.

A- A+

A presidente Dilma Rousseff, em recente entrevista à Bloomberg (um dos principais provedores mundiais para o mercado financeiro, TV, revistas, terminais de informação) sinalizou que o governo terá que promover cortes em todos os setores para rever o déficit. “Vamos fazer um grande corte. Um grande contingenciamento”, disse.

O governo já trabalha com o fato, baseado em dados, de que apenas o ajuste fiscal não bastará. O déficit recorde em fevereiro deu a indicação: a poupança vem apresentando queda e a dívida pública não arrefece a tendência de alta.

A intenção é cortar R$ 58 bilhões já em 2015, valor que a equipe econômica acredita ser necessária para garantir a meta de superávit primário de 1,2 do PIB para este ano (R$ 66,3 bilhões).

“Eu farei tudo para atingir 1,2%, não é só uma questão de crença, é de ação política. Tem que racionalizar gastos e defasar outros. É a parte do governo, e ela vai ser grande”, destacou a presidente Dilma.

O corte será maior do que previsto, porque no ritmo atual da desaceleração da economia o Tesouro teria dificuldades para atingir a meta fiscal prometida.

O governo terá que ceder para aprovar as medidas fiscais no Congresso, e isso sinaliza uma economia menor que a prevista. A meta prevista de uma economia de R$ 18 bilhões com as mudanças propostas nos benefícios trabalhistas e previdenciários e mais R% 5 bilhões com a desoneração da folha de pagamento não devem ser atingidas.

Toda essa matemática leva em conta uma receita a mais de R$ 20 bilhões conseguida por meio de aumento de impostos e a volta da Cide (Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico sobre o preço dos combustíveis).