18 de setembro de 2020
Campo Grande 36º 21º

COVID-19

Após ir na comitiva de Bolsonaro aos EUA, Nelsinho Trad faz exame do coronavírus

Nelsinho e Bolsonaro viajaram junto com o chefe da Secom, que apresentou os sintomas e fez exame positivo para o coronavírus

O senador Nelsinho Trad (PSD) vai realizar, na tarde desta quinta-feira (12), exame para detectar o coronavírus. A medida tem caráter preventivo porque ele integrou a comitiva do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na viagem aos Estados Unidos na semana passada e o chefe da Secretaria Especial de Comunicação, Fábio Wajngarten, está com a doença, conforme exame divulgado hoje.

A informação foi confirmada pelo irmão do parlamentar, o deputado federal Fábio Trad (PSD). No entanto, ele tranquilizou que o senador não apresentou nenhum sintoma. O exame será feito no Laboratório Sabin, no Distrito Federal.

“Assintomático”, informou. De acordo com o médico Ronaldo Costa, isso significa que Nelsinho não apresentou os sintomas, mas fará o exame para ter certeza se não está com o vírus e o transmitindo para outras pessoas.

Na manhã de hoje, o Senado cancelou a reunião da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional, presidida por Nelsinho Trad. A informação oficial é de que a reunião foi cancelada por falta de quórum.

Outros senadores que integraram a comitiva de Bolsonaro na viagem a Miami vão realizar o exame e ficar de quarentena. A medida foi determinada pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM).

Nelsinho é primo do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e irmão do prefeito da Capital, Marquinhos Trad (PSD). O presidente Jair Bolsonaro também cancelou viagem a Mossoró (RN). O cancelamento da viagem ocorreu em função do avanço do coronavírus. Ele permanece sem agenda oficial na manhã de hoje. O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, confirmou que o evento foi suspenso por segurança sanitária.

Nelsinho e Bolsonaro viajaram junto com o chefe da Secom, que apresentou os sintomas e fez o exame para o coronavírus no Hospital Albert Eisntein, em São Paulo, conforme a colunista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo. O jornal O Estado de São Paulo informou que o resultado do exame deu positivo para coronavírus e o secretário pode ter infectado outros integrantes da comitiva presidencial.

Ontem, a Organização Mundial de Saúde declarou oficialmente o coronavírus como pandemia mundial. O Brasil confirmou 73 casos da doença até o momento.

Fonte: O Jacaré.