19 de janeiro de 2021
Campo Grande 27º 21º

Mochi ameniza impacto que aval de André à à pré-candidatura de Murilo ao governo causou dentro do PM

O presidente regional do PMDB, deputado estadual Junior Mochi, tentou amenizar o impacto gerado pelas declarações do prefeito de Dourados, Murilo Zauith (PSB), que afirmou ter recebido aval do governador André Puccinelli para se candidatar ao governo do Estado, disputando a preferência do eleitor sul-mato-grossense com o pré-candidato do PT, senador Delcídio do Amaral e com o pré-candidato peemedebista, Nelson Trad Filho.

“O Murilo tem demonstrado interesse em ser candidato a uma das vagas majoritárias. O governador disse que ele escolhe o que ele quer, mas não é exatamente com o apoio do PMDB”, declarou. Apesar de Murilo já ter sido vice de Puccinelli, Mochi acredita que a candidatura própria do PSB (Partido Socialista Brasileiro) não enfraquece o pré-candidato Nelsinho Trad (PMDB).

“A discussão foi para isso. A ideia de uma terceira candidatura é altamente viável, amplia a discussão. Também pode ajudar a provocar um segundo turno”, explicou Mochi, que acredita que em um segundo turno o pré-candidato de seu partido possa ter, até mesmo, mais chances de conquistar a vitória.

A estranheza que o aval de André a Murilo causou em alguns membros do PMDB parece não ter afetado o deputado Junior Mochi. Para ele, não existe nada de estranho a principal liderança do PMDB, dar um aval para que que haja mais um candidato disputando a sucessão estadual contra o candidato do próprio partido.

Sobre a possibilidade de fazer uma aliança entre os dois partidos e dar o cargo de vice para Murilo já que Nelsinho declarou que pretende convidar um aliado que tenha força no interior do Estado, Junior Mochi não descarta a possibilidade, mesmo considerando o alto índice de rejeição do prefeito de Dourados.

“Não vetamos ninguém partidariamente. Estamos abertos à discussão. Se vai acontecer, são fatos que só o tempo irá dizer”, concluiu.

Heloísa Lazarini e Diana Christie