10 de agosto de 2020
Campo Grande 32º 19º

Edil afirma que Bernal faz comentários polêmicos sobre Processante para dificultar decisão da justiç

edil

O vereador Edil Albuquerque (PMDB), presidente da Comissão Processante, que investiga suposto ato de improbidade administrativa cometido pelo prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), rebateu hoje pela manhã as declarações do prefeito que afirmou acreditar não haver sigilo entre as decisões da justiça estadual e os vereadores que fazem parte da comissão. O prefeito fez a insinuação, pois na semana passada o vereador Edil disse ter uma “carta na manga” para continuar com a Processante.

Edil disse que o prefeito pode ficar tranquilo, pois será o primeiro, a saber, o que será tal carta na manga. “Não adianta o prefeito ficar fazendo essas colocações absurdas, pois essas insinuações são muitos graves. Quando nós da comissão decidirmos apresentar a “carta na manga” o prefeito será o primeiro, a saber,” ressaltou.

De acordo com o vereador, o prefeito quer polemizar com as declarações exatamente para atrapalhar os trabalhos da comissão. “Primeiramente, ele se escorou na justiça para não ter que vir depor, agora vem com essas “conversinhas”. Não entendo a postura do prefeito que falou pela cidade inteira que viria prestar seu depoimento, inclusive que tinha diversos documentos para comprovar que não houve improbidade administrativa em sua gestão, e depois arruma um jeito de escapar. Se ele está pensando que nós desistimos está muito enganado. Existem muitas coisas que precisam ser esclarecidas pelo prefeito”, salientou.

Um segundo agravo regimental foi protocolado pelos vereadores e será analisado pela 3ª Seção Cível em janeiro de 2014. O pedido é para que a justiça reconsidere a decisão que revogou a liminar concedida pelo desembargador Luiz Tadeu e com isso“travou” os trabalhos da Processante. O desembargador está de férias e retorna depois do dia sete de janeiro, quando o TJ retoma as atividades.

Sobre a decisão, o vereador Edil segue confiante de que irá conseguir concluir os trabalhos da Processante. “Mesmo com essa postura intempestiva do prefeito tenho certeza que iremos conseguir continuar com os trabalhos, afinal se houve irregularidades nos contratos emergenciais alguém terá que ser punido”, finalizou.

 Alan Diógenes