09 de agosto de 2022
Campo Grande 21º 17º

Flávio César descarta disputa pela presidência da Câmara se Mario Cesar renunciar: 'é especulação'

A- A+

A Operação Coffee Break do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) que investiga suposto esquema de compra de votos de vereadores, que culminou com a  cassação do prefeito eleito Alcides Bernal (PP) mudou “as peças do jogo de xadrez” na Câmara Municipal de Campo Grande.   

Uma das consequências da investigação foi o afastamento do então presidente da Câmara Municipal, vereador Mario Cesar (PMDB). Essa situação tem gerado expectativa nos bastidores sobre uma possível renúncia de Mario Cesar à cadeira de presidente do legislativo municipal. 

Com a renúncia, isso poderia gerar uma “dança das cadeiras” dentro da Casa de Leis. O MS Notícias publicou ontem (23) uma reportagem em que supostamente o vereador João Rocha (PSDB) estaria articulando com vereadores por votos favoráveis, caso haja a renúncia, para concorrer e conquistar a cadeira de presidente da casa, disputando com o atual presidente interino, Flávio César (PT do B).

Com os boatos, após sessão na Câmara de Vereadores na manhã de hoje (24), o então presidente em exercício, Flávio Cesar (PTdoB) negou qualquer “disputa” e que tudo não passa de especulação para tirar o foco dos trabalhos dentro da casa.

“São rumores, e de concreto não existe nada nesse aspecto. O presidente afastado,  Mario Cesar não tem até o momento nenhuma ação efetiva de entregar a presidência em exercício. Sobre pedido de renúncia, e essa prerrogativa cabe a ele somente, pelo que me consta, são apenas especulações. Nosso objetivo é cumprir o papel da presidência conduzindo todos os trabalhos da casa da melhor maneira possível”, afirmou Flávio.

Quando questionado pelo MS Notícias sobre um possível interesse do vereador João Rocha (PSDB) em disputar a presidência, caso o vereador Mario Cesar renuncie, o presidente interino amenizou os boatos de concorrência à cadeira de presidente. “Não tenho nada a declarar nesse sentido, até por que todos os vereadores estão neste momento preocupados em cumprir o seu papel da melhor maneira possível, principalmente diante do cenário em que a cidade se apresenta. O município está em uma situação de fragilidade, com muitos problemas e nossa preocupação é focar nas nossas ações, o foco tanto da minha parte quanto da parte de qualquer vereador não é sobre isso. Nós temos um presidente e este presidente está afastado, então não existe nada nesse sentido”, decretou Flávio.