28 de novembro de 2020
Campo Grande 36º 23º

PANDEMIA

Há 9 meses preso, doleiro acusado de lavar R$ 1,6 bilhão ganha 'domiciliar'

Doleiro se encaixa no grupo de risco para Covid-19

O ministro Reynaldo Soares da Fonseca, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), concedeu hoje (7.abril) prisão domiciliar ao doleiro Dario Messer, preso na Operação Patrón, da Polícia Federal (PF), em 2019. Messer foi pego na investigações da Operação Lava Jato, acusado de lavagem de dinheiro.  

Segundo a decisão da Justiça, Messer se encaixa no grupo de risco para a Covid-19. O doleiro tem 61 anos, é hipertenso e fumante, o agravante foi usado para conceder o benefício de prisão domiciliar ao doleiro. 

Em março desse ano, Messer passou por um procedimento para a retirada de lesões compatíveis com melanoma. Com o benefício ele será monitorado por tornozeleira eletrônica.

Em 26 de março o mesmo benefício já havia sido assinado pelo juiz federal Marcelo Bretas, mas foi cassado pelo desembargador Abel Gomes, do do Tribunal Regional Federal – 2ª Região (TRF-2), que argumentou que o presídio de Bangu 8, onde Messe era interno, não estava superlotado e tinha condições de realizar o isolamento.  

O beneficiado foi acusado de evasão de divisas e lavagem de dinheiro que somam cerca de R$ 1,6 bilhão ou US$ 30 milhões. O doleiro teve a prisão decretada em maio de 2018, junto com outros investigados na Operação Câmbio, Desligo (desdobramento da Lava Jato no Rio de Janeiro), mas permaneceu foragido até ser capturado em julho de 2019.

Segundo os advogados, Messer tem mais de 60 anos e “problemas de saúde que necessitam de acompanhamento médico constante”, usado como argumento para que concedessem à ele o benefício.  

Fonte: G1.