28 de novembro de 2020
Campo Grande 36º 23º

MINISTRO

Imagem técnica de Mandetta não condiz com seu passado político

Muitos se decepcionaram com o desempenho obviamente político de Mandetta após, na quarta-feira (25), ele ignorar recomendações médicas sobre isolamento social para agradar o governo

Por não ter a boçalidade de Abraham Weintraub (Educação) nem a truculência de Jair Bolsonaro, o ministro Luiz Henrique Mandetta (Saúde) foi rapidamente elevado à categoria de técnico na crise do coronavírus.

Em razão disso, muitos se decepcionaram com seu desempenho obviamente político na quarta-feira (25), quando procurou se equilibrar entre as recomendações da comunidade médica de isolamento populacional e a pressão de seu chefe para relaxá-las.

Mandetta conseguiu safar-se da enrascada com habilidade, criticando governadores que promovem quarentenas "exageradas", o que certamente agradou a Bolsonaro. Mas no que mais importa, as diretrizes gerais do isolamento, tudo basicamente permaneceu igual.

Só quem não examinou a carreira pregressa do ministro cai na esparrela de que ele nada tem de político.

Não há dúvida que sua formação na área médica é sólida, com pós-graduação em ortopedia pediátrica no Brasil e nos EUA. Mas há tempos que Mandetta enveredou pelas áreas sindical e política.

Primeiro como presidente da cooperativa Unimed de Mato Grosso do Sul, depois como secretário de Saúde de Campo Grande e finalmente por dois mandatos como deputado federal pelo DEM-MS (2011-19).

Na Câmara, sua atuação foi primordialmente na área da Saúde, mas com um indisfarçável componente corporativista. Eram comuns discursos em defesa de aumentos salariais para servidores da área e apoio a greves.

Quando deputado, o hoje ministro esteve na linha de frente da oposição à criação pelo PT do programa Mais Médicos, cujo carro-chefe era a vinda de profissionais cubanos ao Brasil. A medida teve forte oposição da classe médica, mas foi implementada e durou até o começo de 2019, quando Bolsonaro desmantelou o programa.

Nas raras ocasiões em que não se dedicou a defender mais dinheiro para a Saúde, Mandetta fez lobby para outro setor politicamente muito forte, especialmente em seu estado, o dos ruralistas.

Criticou diversas vezes medidas da então presidente Dilma Rousseff de demarcação de terras indígenas em seu estado, dizendo que ela perseguia o agronegócio. "A presidente está dirigindo a sua raiva contra os produtores rurais, colocando todo o seu querer mal ao Brasil no agronegócio", discursou no plenário, em 2016.

Um dos pontos que mais geraram frustração entre os admiradores do Mandetta "técnico" em sua fala de quarta-feira foi a ênfase nos prejuízos econômicos causados pelo isolamento social, seguindo o receituário do presidente.

Mas essa preocupação não é estranha para ele. Um exemplo ilustrativo ocorreu em março de 2017, quando a Polícia Federal lançou a Operação Carne Fraca, cujo alvo eram supostas irregularidades em frigoríficos.

Os prejuízos no setor foram imediatos, o que exasperou o hoje ministro. "[A PF] poderia ter batizado [a operação] de mal fiscal, fiscal que corrompe, mas ela foi ao produto e batizou de Carne Fraca. E produz hoje uma grande crise de arrecadação e política na pecuária brasileira", declarou.

Antipetista ferrenho e homem de valores conservadores, Mandetta se coloca em oposição a flexibilizar o direito ao aborto e foi um militante contra a possibilidade de a interrupção da gravidez ser aprovada pelo Supremo Tribunal Federal para fetos com zika, entre 2015 e 2016. Chamou a prática de "eugenia".

Já apontou da tribuna da Câmara a fragmentação da família causada pela Lei do Divórcio, mas está longe de ser obtuso como alguns de seus pares no governo. Defendeu, por exemplo, facilidade para importação de medicamentos à base de maconha.

É inevitável que centristas e progressistas se decepcionem um pouco com seu novo herói Mandetta ao conhecerem quem ele realmente é. O fato de a base de comparação na Esplanada ser tão baixa pode turvar a realidade.

Ao que tudo indica, o ministro é um servidor sério, que vem tentando fazer seu trabalho em meio ao caos ao seu redor e à sabotagem que vem de cima.

Por enquanto, ele vem conseguindo desviar das muitas armadilhas que surgem. Paradoxalmente, para dar condução técnica à sua pasta, terá de ser cada vez mais político.