22 de setembro de 2020
Campo Grande 27º 18º

Para Jerson, André é o candidato ao Senado e PMDB não deve temer Azambuja

O deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa, Jerson Domingos, avaliou o cenário político atual e, ao contrário de alguns de seus correligionários, não acredita que a candidatura do depurado federal Reinaldo Azambuja (PSDB) ao Senado pode atrapalhar a vitória do PMDB. "Não vejo desta forma, o PMDB tem dois bons nomes ao Senado, André e Simone. Ao contrário, o PMDB de forma alguma está aguardando o Reinaldo", afirma.A declaração é uma resposta a recentes afirmações de membros do PMDB que garantem que o governador André Puccinelli (PMDB) pode sari candidato ao Senado e levar a vice-governador Simone Tebet (PMDB) como suplente, justamente para garantir a vaga de Simone no Senado em 2016, quando André deixaria o cargo para disputar a prefeitura de Campo Grande. Outro ponto favorável desta teoria é que com Puccinelli, a vitória ao Senador é garantida, ao menos de acordo com pesquisas de intenção de votos que o colocaram com quase 90% de aprovação pela população do Estado para ser o representante do Mato grosso do Sul no Senado. Já a vice-governadora, Simone Tebet, não desfruta de tanta aprovação e seu nome tem sido mais bem recebido pelos eleitores como candidata ao governo, o que o PMDB insistem em não enxergar. Aliás a incerteza sobre o nome de Nelsinho Trad como candidato ao governo tem crescido e recentemente o próprio governador se calou e afirmou que iria cuidar apenas de seu mandato. O silêncio de Puccinelli pode representar muitas coisa,s entre elas, o enfraquecimento da candidatura de Nelsinho, uma vez que o governador é a figura mais representativa do partido e sem a presença dele ao seu lado qualquer que seja o candidato perde força. Ontem, durante a reabertura da Assembleia, Puccinelli evitou falar sobre Nelsinho e questionado sobre sua candidatura ao Senado, pela primeira vez, ele não negou e disse que há possibilidade. "Em política temos que deixar dúvida, existe a possibilidade, pode ser uma em mil, em 100 mil", afirma. Ao contrário de André que mantém o mistério sobre o assunto, Jerson é categórico e afirma que o governador merece se tornar senador. "Por tudo que o André fez por Campo Grande e Mato Grosso do Sul, ele tem que ser corado como senador, e será um ótimo senador", afirma Jerson, que garante que esta é também a vontade da presidente Dilma Rousseff (PT) com quem André deve se encontrar ainda este mês para discutir a possibilidade sua entrada na chapa petista com senador ao lado do candidato do PT ao governo, o atual senador Delcídio do Amaral. Heloísa Lazarini