08 de agosto de 2020
Campo Grande 31º 17º

Possível cassação de Bernal ainda divide opiniões entre vereadores

Alan Diógenes

Apesar da maioria dos vereadores serem a favor da Comissão Processante que foi aberta para cassar o mandato do prefeito Alcides Bernal (PP) no dia 15 desse mês, existem aqueles que não se rendem aos argumentos levantados para a abertura da comissão.

De acordo com a vereadora Luiza Ribeiro (PPS), os fatos trazidos pela denúncia ainda não foram comprovados.

“Eu acredito que o PP vai se recompor, pois não existem argumentos sólidos para a cassação do prefeito. O que eles estão fazendo é uma desintegração política do executivo e do legislativo. A maioria dos vereadores são a favor da comissão, mas esta deve ser tratada do ponto de vista político e não do ponto de vista jurídico como vem sendo tratada”, ressalta Luiza.

Mas para o vereador Chiquinho Teles (PSD) que é a favor da Comissão Permanente, existem vários indícios de irregularidades na administração de Bernal, e ele acredita que a cassação pode se tornar realidade.

“O prefeito já está perdendo os últimos fios de cabelo da cabeça com toda essa situação, ele lutou e relutou para que a comissão não fosse aberta. Alguma coisa ele deve, se não ele não ia temer tanto a comissão. Para mim ele já desceu até o “mármore do inferno”, mas até lá não o aceitaram”, comenta Chiquinho.

O vereador acredita que a situação do prefeito só piora pela sua maneira de resolver os problemas. “O senador Delcídio do Amaral já comentou que havia avisado o Bernal sobre o rumo que sua administração ia tomando, mas ele não deu ouvidos. Muito pelo contrário, o prefeito se mostra cada dia mais arrogante e prepotente”, afirma Chiquinho.

O fato é que a Comissão Processante já foi instaurada e segundo o vereador Alceu Bueno (PSL) os trabalhos já começaram. “Uma reunião extra-oficial já foi realizada, agora temos cinco dias úteis para organizar tudo e apresentar pelo menos dez testemunhas. Por enquanto estamos verificando o teor das denúncias para saber se há veracidade nas informações”, conclui Alceu.