02 de dezembro de 2020
Campo Grande 33º 23º

SEM LIMITES

Presidente está enganado, Forças Armadas não entra em aventura, dizem generais

Esganado pelas acusações de Moro, Bolsonaro tenta navegar em marés 'sem leme'

O presidente Jair Bolsonaro se juntou novamente, ontem, a uma manifestação que pregava o golpe de Estado com repúdio aos poderes Legislativo e Judiciário através do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal.

Não havia mais do que cinco mil pessoas no movimento, que salpicadas entre a imensa Esplanada dos Ministérios e a Praça dos Três Poderes mal eram vistas nas imagens aéreas. Pareciam um grupo maior, porém, na live transmitida pelo presidente. “Chegamos no limite”, ele afirmou. “Não tem mais conversa.” Mais cedo, Bolsonaro havia se reunido com um grupo de generais. “Vocês sabem que o povo está conosco, as Forças Armadas também estão ao nosso lado, e Deus acima de tudo. Queremos o melhor para o nosso país. Queremos a independência verdadeira dos três poderes e não apenas uma letra da Constituição, não queremos isso. Chega interferência. Não vamos admitir mais interferência. Acabou a paciência.” O presidente estava irritado com uma série de decisões do Supremo, entre elas a ordem para interditar a nomeação de Alexandre Ramagem para o comando da Polícia Federal e, no sábado, a de suspender a expulsão da equipe diplomática venezuelana do país. 

Pelo menos três generais da reserva declararam que o presidente está enganado. Maynard Santa Rosa, ex-secretário de Assuntos Estratégicos da Presidência, o deputado federal General Peternelli e o ex-candidato ao governo do Distrito Federal, Paulo Chagas, o disseram ao jornalista Chico Alves. “O presidente está enganado, está interpretando do jeito que ele quer. As Forças Armadas jamais vão entrar numa aventura. O povo está dividido, o Brasil quer que cada um faça sua parte de forma responsável”, declarou Chagas.

O ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, prestou um depoimento de oito horas na Polícia Federal, em Curitiba. Ele foi ouvido por ordem do STF sobre suas acusações de que Bolsonaro tentou interferir na PF. À porta havia militantes bolsonaristas assim como lavajatistas, agora divididos em grupos adversários. Os técnicos extraíram do celular de Moro, suas conversas com o presidente via WhatsApp — incluindo aquelas que ele acreditava ter apagado

As rusgas estão custando ao presidente em popularidade. A pesquisa Ideia Big Data, que colhe semanalmente por telefone avaliações sobre o governo, registrou entre 28 e 29 de abril, uma queda de oito pontos no intervalo de uma semana. Bolsonaro tinha 36%, caiu para 28% de ótimo e bom, de acordo com José Roberto de Toledo.

O DataPoder360 registrou queda similar. De 36% para 29% num intervalo de 15 dias. 

Fonte: Meio.