27 de fevereiro de 2021
Campo Grande 32º 22º

Coffee Break

Promotores da Força Tarefa do MPE vão integrar investigação do Gaeco

Leia também

• Testemunhas de Coffee Break podem responder por associação criminosa, aponta Gaeco

• Relatório do Gaeco aponta envolvimento de 13 vereadores em suposto esquema para cassar Bernal

• PGJ nega problemas com Marcos Alex e promotor fica no Gaeco até conclusão de investigações

Os promotores de Justiça, Thalys Franklyn de Souza e Tiago de Giulio Freire vão atuar junto ao Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), responsável pelas investigações da Operação Coffee Break.

Segundo portaria publicada no Diário Oficial do Ministério Público Estadual (MPE) desta terça-feira (12), assinada pelo Procurador Geral de Justiça, Humberto de Matos Brittes, os promotores desde dia 7 deste mês passaram a acumular duas funções. A condução de inquéritos da Força Tarefa, instaurados na 29ª Promotoria de Justiça após deflagração da Operação Lama Asfáltica, da Polícia Federal, e a atuação junto ao Gaeco.

Em dezembro de 2015, quando entregou relatório da Coffee Break ao Procurador Geral, o promotor de justiça, Marcos Alex Vera de Oliveira, coordenador do Gaeco, apontou necessidade de dar continuidade às investigações diante de novos fatos descobertos. A Coffee Break investiga se houve esquema criado por empresários e políticos para comprar votos de vereadores no intuito de cassar mandato do prefeito de Campo Grande Alcides Bernal (PP), que aconteceu em março de 2014.