30 de setembro de 2020
Campo Grande 40º 23º

Sessão comunitária vira palco de discussão entre vereadores sobre cassação de Bernal

Os vereadores insatisfeitos com a cassação do ex-prefeito Alcides Bernal (PP) usaram a sessão comunitária realizada na manhã de hoje no bairro Monte Castelo – região norte de Campo Grande - para reafirmar a teoria de conspiração e golpe, o que causou a revolta de alguns colegas. Na mesma sessão estiveram presentes algumas pessoas pró-Bernal e a ex-diretora da Agereg (Agência de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Campo Grande), Ritva Vieira.

A discussão começou após o vereador Paulo Pedra (PDT) usar uma história de um príncipe inglês que tentou matar o rei durante as cruzadas para assumir o trono como analogia ao episódio da cassação deixando subentendido que o prefeito Gilmar Olarte (PP) seria o príncipe invejoso que planejou a derrubada de Bernal.  “Minha resposta vai ser na urna em outubro e tenho fé que o Bernal vai voltar. Chega de Conspiração. Chega de golpe”, declarou.

Em defesa dos que votaram a favor da cassação, Gilmar da Cruz (PRB) que participa da administração de Olarte como participou da de Bernal, justificou sua posição alegando que os vereadores fazem o que é melhor para Campo Grande. Já Delei Pinheiro (PT do B) afirmou que Bernal foi incompetente como gestor da Capital. “Até concordo que ele teve bons assessores e bons técnicos, mas não foram os técnicos que foram cassados. Quem foi cassado foi o prefeito que não soube administrar”.

Luiza Ribeiro (PPS) também fez um discurso semelhante ao de Pedra e acusou o PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro) de desrespeitar a democracia, além de comprar votos para ganhar as eleições. O presidente da mesa, vereador Carlão (PSB) foi o único que tentou acalmar os ânimos. “Se foi golpe ou não, isso está sendo discutindo na justiça. Vamos continuar o nosso trabalho”, convocou.

A vereadora Carla Stephanini (PMDB) evitou entrar na discussão e destacou que a sessão comunitária está aberta a todos os tipos de manifestação. “A sessão é pública. Aberta a todos e a todas. Nem nos surpreende nem nos incomoda. Agora vamos chamar a atenção para o fato de que não é um protesto espontâneo”.

Também estiveram presentes na sessão comunitária, os vereadores Chiquinho Telles (PSD), Loester de Oliveira (PMDB), Delei pinheiro (PSD), Ayrton Araújo, Zeca do PT e Edson Shimabukuro (PTB).

Diana Christie