26 de setembro de 2020
Campo Grande 37º 24º

Para líder do prefeito, oposição de vereadores a Bernal é incurável

Os vereadores da base do prefeito Alcides Bernal (PP) começam a desacreditar que haverá um fim para o conflito entre executivo e os vereadores da oposição. Mesmo com a possibilidade de trégua apresentada pelo líder da oposição, vereador Ayrton Saraiva (DEM), a Câmara Municipal ingressou com recurso especial para ser julgado pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça) no intuito de retomar a sessão de julgamento do prefeito.

Além disso, o MPE (Ministério Público Estadual) vai ingressar com pedido junto ao TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) para que o tribunal derrube a decisão do juiz da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande, David de Oliveira Gomes Filho, que rejeitou a ação contra Bernal de improbidade administrativa baseada no relatório da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) do Calote.

“(A trégua) É só conversa mole de uma oposição raivosa. A oposição tem que ser inteligente, tem que ter compromisso com as coisas. Acredito que o prefeito vai se sobressair disso. Vai continuar esse perrengue até a ação voltar para a Casa de Leis para que os vereadores possam arquivar de vez”, declarou Ayrton Araújo (PT).

O vereador Alex do PT, líder do prefeito na Câmara, afirma que a base está se articulando para evitar que as brigas travadas entre os dois poderes no ano passado se repitam em 2014, mas admite que a oposição está incontrolável.

“Prefiro fazer valer essa fala do Saraiva do que propriamente acreditar no estabelecimento do clima de confronto dentro da Câmara, mas infelizmente é um caso incurável. A nossa defesa é continuar trabalhando para que esse clima não volte à Câmara. A articulação nova foram os discursos em clima de pacificação, a nossa tentativa de fazer votar projeto de interesse social, como o SIM (Selo de Inspeção Municipal) e a tarifa de ônibus. Projetos que envolvam a todos”, explicou.

Composição da base – Segundo Alex, o prefeito pode contar com 12 vereadores aliados, podendo chegar a 14 conforme as negociações. Para chegar a esse resultado, Alex considera Chocolate (PP) como aliado após uma suposta reconciliação entre o vereador e o prefeito, Alceu Bueno (PSL), Carlão (PSB), Paulo Pedra (PDT), Edson Shimabukuro (PTB), Jamal Salém (PR), Zeca do PT, Gilmar da Cruz (PRB), Luiza Ribeiro (PPS), Cazuza (PP), e Ayrton Araújo, além do próprio Alex.

“Temos doze. Podemos chegar ao décimo quarto, mas o que mais importa é alicerçarmos esses doze. O ideal seria um clima de paz geral, que desse as condições de ter uma oposição com críticas construtivas”, finalizou.

Diana Christie