11 de abril de 2021
Campo Grande 33º 22º

“A era dos grandes craques do futebol brasileiro acabou” diz Dunga

Em entrevista hoje (21), O técnico da seleção brasileira de futebol Dunga disse acreditar que faltam jogadores com poder de decisão no país, e complementa ainda dizendo que, a era dos grandes craques do futebol brasileiro acabou.

 “O Brasil era acostumado a ter três ou quatro jogadores de referência, isso acabou. Temos um vácuo na geração de 23 a 28 anos. No Brasil, eles eram fantásticos, mas na Europa não vingaram por diversos motivos, inclusive porque ficam muito tempo no banco de reservas. Não temos jogadores de ponta, que decidem, habituados a ser a marca dos seus times”, afirmou Dunga.

O treinador voltou a atacar as críticas que recebe por suas convocações. “Isso me incomoda, mas vou fazer o que? Não adianta ficar brigando contra quem não vai mudar. Eu trouxe o Douglas Costa para a seleção e fui criticado. Daí vem o Bayern de Munique do Guardiola e compra o jogador. Agora já dizem que o Douglas Costa é bom para caramba. Quer dizer que quando eu convoco, o jogador é ruim? Quando o Guardiola pede a contratação, ele vira craque”.

Ele explicou que espera ter 15 dias de preparação com o elenco que convocará para disputar os Jogos do Rio-2016, cinco a mais do que teve na campanha do bronze conquistado em Pequim-2008. Dunga acredita que estará em jogo o resgate da dignidade do futebol brasileiro, após o vexame da Copa do mundo em casa. “Plantar o pânico, falar em fantasma, tudo isso vende, rende notícia. O cara que for jogar na Olimpíada-2016 precisa encarar da seguinte forma: Ele tem uma grande oportunidade de encerrar com este assunto”, opinou o treinador.

Dunga voltou a exaltar o bronze que conquistou, apesar de contar com Ronaldinho Gaúcho muito próximo de sua melhor forma física e técnica. “Em Pequim-2008, tive somente dez dias de preparação, sendo que dois foram perdidos viajando. Mesmo assim ganhamos o bronze e os caras dizem que não foi um resultado bom. A lição dessa minha primeira experiência como treinador de uma seleção olímpica é que precisamos de tempo para preparar a equipe e definir logo os três jogadores acima de 23 anos que vão aos Jogos do Rio''.