24 de julho de 2024
Campo Grande 31ºC

EURÍPEDES GOMES JÚNIOR

Após 3 dias foragido, presidente do Solidariedade se entrega à PF

Um ex-presidente do PROS acusou Eurípedes de desviar cerca de R$ 36 milhões do partido

A- A+

O presidente do Solidariedade, Eurípedes Gomes Júnior, se entregou à Polícia Federal (PF) em Brasília na manhã deste sábado (15.jun.24). Foragido desde quarta-feira (12.jun.24), ele agora está sob custódia até a transferência para o sistema penitenciário.

A PF informou que Eurípedes se apresentou por volta das 11h45, acompanhado por seu advogado. Ele é alvo de uma operação que investiga supostos desvios de recursos dos fundos partidário e eleitoral do PROS, partido que se incorporou ao Solidariedade no ano passado.

DEFESA E MEDIDAS INTERNAS DO PARTIDO

A defesa de Eurípedes alega que provará a "insubsistência dos motivos" para a prisão e a "total inocência" do dirigente. Em nota, o Solidariedade informou que Eurípedes solicitou licença por prazo indeterminado da presidência da legenda, com o deputado federal Paulinho da Força (SP) assumindo o comando nacional.

INÍCIO DAS INVESTIGAÇÕES

As investigações começaram a partir de uma denúncia de Marcus Vinicius Chaves de Holanda, ex-presidente do PROS que acusou Eurípedes de desviar cerca de R$ 36 milhões do partido. Na operação de quarta-feira (12), a PF tentou bloquear R$ 36 milhões e 33 imóveis do grupo.

MANDADOS DE PRISÃO E APREENSÕES

Eurípedes não foi encontrado em sua residência durante a operação e teve seu nome incluído na lista vermelha da Interpol antes de se entregar. Outros alvos dos mandados de prisão incluíam Cintia Lourenço da Silva, primeira tesoureira do Solidariedade, e Alessandro, conhecido como Sandro do PROS, ambos já presos.

Em Goiás, a PF apreendeu R$ 26 mil em espécie e um helicóptero registrado em nome do PROS, adquirido com recursos públicos desviados. A aeronave, avaliada em R$ 2,4 milhões, estava sendo usada para fins particulares por Eurípedes e emprestada a amigos e familiares.

ENVOLVIMENTO DE FAMILIARES

As investigações apontam que a filha de Eurípedes, Jhennifer Hanna, ex-vice-presidente do PROS e atual secretária-executiva do Solidariedade, obteve viagens internacionais, bolsas de estudo e cargos com dinheiro desviado do partido. Há indícios de que Jhennifer leva um estilo de vida incompatível com seus rendimentos declarados, segundo o juiz Lizandro Garcia, que autorizou a operação.

NOTA DA DEFESA

Os advogados de Eurípedes, José Eduardo Cardozo e Fabio Tofic Simanthob, emitiram uma nota afirmando que o dirigente provará sua inocência perante a Justiça:

Após se licenciar de suas funções, Eurípedes Gomes Macedo Júnior se apresentou voluntariamente à Polícia Federal para cumprir o mandado de prisão preventiva.

A defesa demonstrará a insubsistência dos motivos para a prisão preventiva e a total inocência de Eurípedes em relação aos fatos apurados.

Brasília, 15 de junho de 2024.