16 de maio de 2022
Campo Grande 21º 13º

TRÁFICO DE DROGAS

Professor que ostentava nas redes é preso

Polícia acusa professor de usar a casa da mãe como "mocó"

A- A+

Walter Manoel Riquelme Britez, de 33 anos, foi preso nesta quinta-feira (20.jan.22) acusado de tráfico de drogas em Ponta Porã (MS). Ele é professor de Letras conhecido por ostentar vida luxuosa nas redes sociais. 

A Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Fronteira (Defron) diz que ele levantou suspeita justamente pela maneira como vivia. Com isso, uma operação conseguiu flagrar o acusado com mais de 100 quilos de pasta base de cocaína.

"A investigação apontou que, apesar de receber um salário mínimo, o suspeito passou a publicar fotos de viagens, além de gastar valores elevados nos bares de Ponta Porã e Pedro Juan Caballero e se identificar como amigo de patrões do tráfico de drogas", disse a polícia. 

Durante a manhã desta quinta-feira, por volta das 11:30h (número sky), a polícia fazia o monitoramento no imóvel onde estariam sendo armazenadas as drogas, localizado no Jardim das Rosas, policiais da Especializada identificaram quando o investigado parou um automóvel GM Celta, de placas paraguaias na frente do local, lá adentrou e logo em seguida saiu carregando uma caixa de isopor.

Vistoriado o imóvel, foram encontrados dentro de caixas de papelão e de isopor centenas de tabletes de pasta base de cocaína, que pesados totalizaram 104,650 kg.Vistoriado o imóvel, foram encontrados dentro de caixas de papelão e de isopor centenas de tabletes de pasta base de cocaína, que pesados totalizaram 104,650 kg. Foto: Defron 

Diante de indícios de que drogas estavam no interior da caixa os policiais abordaram o automóvel, no qual, além do investigado, encontravam-se duas outras pessoas.

Vistoriada a caixa de isopor, não foram encontradas drogas em seu interior. Contudo, o investigado relatou aos policiais que a mãe dele não possuía relação com o “b.o.” que estava no interior da residência.

Perguntado o que havia na residência, o investigado expôs que guardava para “desconhecidos” tabletes de pasta base de cocaína, recebendo R$ 10 mil por semana por essa empreitada.

Vistoriado o imóvel, foram encontrados dentro de caixas de papelão e de isopor centenas de tabletes de pasta base de cocaína, que pesados totalizaram 104,650 kg.

Sobre os dois outros indivíduos que estavam no automóvel, apurou-se que na companhia do preso iriam realizar um churrasco em um espaço de lazer, não se identificando relação deles com a traficância de drogas.

Os policiais apuraram ainda que o professor de letras teve o seu contrato de trabalho rescindido pelo município de Ponta Porã em dezembro de 2021.

A pasta base de cocaína e o preso foram encaminhados para a sede da Defron em Dourados, onde o professor está sendo autuado em flagrante por tráfico de drogas.