17 de janeiro de 2021
Campo Grande 26º 23º

Roubo de corrente acaba com três travestis presos

Após as investigações realizadas pelo Deco (Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado),  foi concluído que houve a participação de três travestis no roubo de uma corrente avaliada em R$ 85 mil. A investigação resultou na morte do policial civil Dirceu Rodrigues dos Santos, morto no dia 7 de janeiro, durante busca no bairro Campo Nobre – região Sul de Campo Grande. O policial Osmar Ferreira que também participava da execução foi ferido.

Conforme explicou o delegado João Eduardo Davanço, a vítima era um pecuarista que dirigia uma camionete Hilux. O pecuarista foi abordado pelos travestis que possuíam em punho uma faca e o ameaçaram, roubando a corrente. O fato aconteceu na rua 7 de setembro, por volta das 22 h.

Durante as investigações, foi recebida a informação que o travesti Alexsandro Gosçalves da Rocha, estava vendendo uma corrente por R$ 30 mil. A polícia foi até a residência de Alexsandro, para recuperar a corrente. Após um desentendimento, o policial foi alvejado pelo próprio Alexsandro e por seu irmão Alexandre Gonçalves da Rocha.

Os outros dois travestis que participaram da ação de roubo da corrente, são os irmãos, Marcos da Silva Alves, 21, conhecido como Mayara e Jeferson da Silva Alves, 19, vulgo Darlene. Os irmãos confessaram a  polícia que roubavam clientes quando surgia a oportunidade.

Outra versão: De acordo com os travestis, em nenhum momento eles usaram armas nem renderam o pecuarista. “Ele é da rua, sempre atrás de programa. Ele não quis me pagar os R$100,00, então, eu pegue a corrente, como penhorada, até ele me pagar. Ele entregou na minha mão, em nenhum momento eu o ameacei”, afirma Alexsandro.

 No dia da morte do policial, Alexsandro contou que Osmar e Dirceu  foram até a sua residência. No momento em que Osmar adentrou na casa, começou ameaçar Alexsandro, além de agredi-lo, nesse momento, seu irmão Alexandre foi para cima dele e os dois conseguiram retirar a arma e agrediram o policial, que fingiu-se de morto.

Os travestis saíram então para fora e encontraram em frente a residência Dirceu, que estava com uma amiga, conhecida como Natália, amarrada. Ao pedir para soltá-la, o policial tentou reagir e foi alvejado com um tiro no abdômen por Alexandre. Ao correr, Alexsandro deferiu mais dois tiros, um na cabeça e um na nuca,matando assim o policial.

Ainda de acordo com o travesti, a vítima ( pecuarista), ligava para ele o ameaçando de morte, e ameaçava também sua família.

Tayná Biazus