MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MS

tera, 19 de novembro de 2019

Projeto

Empreendedores criam projeto de tratamento de água a preços populares

Por: Agência Brasil08/11/2019 às 15:44
ComentarCompartilhar
TCE EAD

Empreendedores do norte do Paraná desenvolveram um projeto de microestação sustentável para tratamento de água em áreas agrícolas.

Chamado Saneia, o projeto é um dos sete integrantes do Programa Natureza Empreendera, da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) do Paraná, que até 2023 vai implantar soluções para problemas ambientais no litoral norte do estado, com o viés do empreendedorismo.

O Saneia é resultado de debates entre participantes de um dos sete grupos que reuniram 35 empreendedores, dos 70 inscritos no programa, para a apresentação de propostas que associassem renda com impacto social positivo no meio ambiente, nos municípios de Antonina, Morretes, Paranaguá e Guaraqueçaba.

"Os 35 se aglutinaram em sete grupos e cada um preparou protótipos de ideias e negócios diferentes.

Com o apoio dos consultores do Sebrae, as ideias se transformaram em modelos de negócios, com definição de quanto seria a receita, o público-alvo, o investimento necessário para sair do papel", informou o coordenador de Negócios e Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, Guilherme Karam, em entrevista à Agência Brasil.

"Para chegar ao fim dos cinco anos com bons projetos rodando e ativos, a gente precisaria fazer um programa inicial de ideação [geração de ideias] com foco em modelos de negócio.

A gente foi atrás de empreendedores nesses quatro municípios, que gostariam de aliar desenvolvimento de um modelo de negócios que, além de ser rentável, gere impacto positivo para a sociedade e para o meio ambiente", completou.

Criado por cinco moradores da região, a ideia do Saneia é tratar o esgoto local e poder reutilizar a água ou devolvê-la limpa para os rios.

Para isso, o negócio prevê o desenvolvimento do Sistema Mestre, que é uma microestação sustentável de tratamento de esgoto, especialmente para atender a pequenos produtores rurais, que enfrentam a falta de coleta adequada.

"O mais interessante desse programa é que o custo de implantação é de pouco menos de R$ 500 por família.

Isso é surpreendente ao se pensar no custo para ligar uma casa à rede de esgoto, quando existe", comentou Karam.

Modelo

Na primeira fase do processo, a filtragem do esgoto é feita por plantas, que retiram a matéria orgânica e os metais pesados, atuando como um sistema de fitorremediação.

Depois, a água passa por um reator de bactérias, capaz de remover 99% dos microrganismos presentes.

O criador do reator, o produtor Wilson Cunha Gonçalvez, informou que construiu o equipamento porque trabalha com depuração de ostras e necessita de água limpa.

"Eu precisava liberar água limpa no ambiente e inventei um reator para liberar a minha água. Veio um estalo de que poderia utilizar também na desinfecção de esgoto.

Acabei fazendo um protótipo pequeno para ser acessível a moradores de áreas isoladas e pobres e em ilhas.

Então, ele se tornou algo bem versátil", disse o inventor.

Para Wilson, uma das grandes vantagens do Saneia é a possibilidade de interligação de várias casas a um mesmo sistema, o que permitirá a redução de custos divididos pelos pequenos proprietários rurais.

Na utilização que fazia com o sistema de decantação, ele já tinha obtido o laudo do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), atestando a possibilidade de liberar a água no meio ambiente depois desse tratamento.

"A minha água que sai direto do sistema de tratamento, por decantação, já dá reuso pelo Conama", informou.

Com a evolução do reator, a água poderá ser utilizada para molhar plantas, sem problemas no contato humano.

Segundo ele, agora, o Saneia precisa da certificação de excelência, com a qual vão surgir os investidores para garantir que mais produtores possam ser atendidos pelo Sistema Mestre.

"Sem atingir a excelência, não vou pôr o reator no mercado, mas acredito que no máximo em 30 dias eu consiga atingir a excelência", contou, acrescentando que aguarda o resultado desse outro laudo.

Maria Alice de Moraes, participante do projeto que criou o Sistema Mestre, está otimista com a sua implementação.

"A ideia é que o projeto vá para a frente. Estamos super empolgados e animados e procurando formas de fazer isso acontecer", disse.

De acordo com a Fundação Boticário, a operação da microestação requer uma equipe de três pessoas para fazer a manutenção, possibilitando ainda a criação de empregos na comunidade.

Acesso à coleta

Dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), indicam que quase 100 milhões de brasileiros não têm acesso à coleta de esgoto e aproximadamente 54% dos esgotos do país não são tratados.

"Acredito que a força desse projeto é tentar diminuir essa taxa, pelo menos em alguns locais do país, nessa questão de esgoto.

Todo cidadão deveria ter na sua casa um sistema de saneamento decente", afirmou Maria Alice, lembrando que, em Antonina, 70,63% da população não têm tratamento de esgoto.

"É extremamente precário.

É esgoto a céu aberto e pessoas que morrem por alguma contaminação. É bem complicado".

Maria Alice, que estuda Tecnologia em Gestão Ambiental, alertou que no litoral paranaense, onde se desenvolve o Programa Natureza Empreendedora, a falta de saneamento ainda se reflete na poluição das praias.

"A gente vê a quantidade de esgoto jogada nas praias, além de causar vários problemas à saúde, que é um ponto principal, ainda faz com que a gente perca o turismo e várias coisas que teria com um local limpo".

O Programa Natureza Empreendedora começou em 2018 com o objetivo de identificar o potencial empreendedor, aliado à conservação da Mata Atlântica, em alguns municípios da região do Lagamar paranaense.

Área preservada

Guilherme Karam destacou que o local onde o projeto é desenvolvido integra a maior área remanescente contínua de Mata Atlântica conservada no Brasil, com quase 2 milhões de hectares de floresta continua, numa região que vai do norte de Santa Catarina ao sul de São Paulo.

"Para conservá-lo, uma das formas é por meio do empreendedorismo positivo.

A gente entende o estímulo a negócios de impactos positivos, que são os que, além de gerar lucro, deixam impacto positivo para a sociedade e para a natureza.

É um caminho interessante para gerar conservação da biodiversidade", disse.

Deixe seu Comentário

TV MS

19 de novembro de 2019
Recapeamento na região do Imbirussu na Capital

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MSRua Rodolfo Andrade Pinho, 634
CEP 79090.050 - Vila Taveirópolis
Campo Grande/MS
 (67) 99150.1270
Editorias
Institucional
Mídias Sociais
© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma