20 de outubro de 2020
Campo Grande 30º 21º

Casa do Artesão é referência no MS

Com mais de 500 artesãos cadastrados, a Casa do Artesão da Capital é um dos espaços de referência para o turismo de Mato Grosso do Sul, apresentando peças que retratam as mais diversas regiões do Estado, bem como os diferentes estilos de trabalho dos produtores de artes sul-mato-grossenses e os mais diversificados materiais, expostos e colocados à venda, traduzindo-se, também, em fonte de renda para os artistas. A Casa do Artesão, localizada bem no centro comercial da Capital, na Avenida Afonso Pena, esquina com a Avenida Calógeras, em um prédio preservado pelo Instituto Patrimônio Histórico Nacional (IPHAN), que foi agência do Banco do Brasil nos anos 60 e 70. Iniciou suas atividades na década de 70 e oferece espaço para exposições e comercialização de artesanato e outros produtos de origem artesanal.No primeiro mês de 2014, centenas de turistas visitaram a Casa do Artesão, entre os quais procedentes do Chile, Alemanha e da Suécia e de vários estados do País, como Pará, São Paulo, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, Amazonas, Tocantins, Paraná e Santa Catarina. Alguns dos turistas deixam frases curtas com suas opiniões no livro de presença, disposto tanto no espaço para mostra, quanto no balcão de atendimento ao público. Além de trabalhos em artesanato em madeira, gesso, de biscuit, argila, papel machê, capim, palha, tecidos, cerâmica, argila, cabaças, pedras e metais, a Casa do Artesão também oferece bolsas trabalhadas à mão, CDs de artistas locais, como Jerry Espíndola, Paulo Simões, Elano e Marcelo Loureiro; do Grupo Acaba e de cururu do Pantanal e de outras regiões do Estado; livros de autores sul-mato-grossenses, sobre história, geografia, poesias, romances e crônicas e também que destacam a culinária sul-mato-grossense. Também estão disponíveis na Casa do Artesão, licores típicos, como o de pequi, cachaça artesanal, mel de abelhas e peças decorativas inspiradas na cultura pantaneira e na criatividade dos artesãos, como temas religiosos e esotéricos. A coordenadora da Casa do Artesão, Severina Morinigo, explica que o giro dos produtos para comercialização é muito bom e tem garantido renda para os artesãos cadastrados e que expõem seus produtos. O artesanato das exposições também tem sido bastante prestigiado, principalmente de outras cidades do Estado, cujos artesãos mostram diferentes técnicas e produtos. No período de fim de ano, com o Natal e Ano Novo, segundo a coordenadora, há uma procura maior por parte do público da própria Capital, que busca presentear seus familiares e amigos, geralmente de outras regiões do País, com artesanato que representa a arte e a cultura sul-mato-grossense. Na Casa do Artesanato está exposto atualmente na Galeria Virgulino de Oliveira França, artesanatos de Alcinópolis, Anastácio, Chapadão do Sul, Nova Andradina, Ribas do Rio Pardo e Rio Brilhante e, no saguão térreo, as rosas pantaneiras. A Casa do Artesão funciona diariamente, de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h e aos sábados das 8h às 12h. Dourados Agora