04 de julho de 2022
Campo Grande 31º 23º

ECONOMIA | MS

Apenas em 2022, MS recebeu 25 alvarás de pesquisas de rochas

Pesquisas consistem em investigar áreas em busca de jazidas de rochas tanto ornamental como rochas calcarias

A- A+

Desde o início do ano, o setor de mineração recebeu 25 alvarás de pesquisas em Mato Grosso do Sul. Nesta semana o secretario Jaime Verruck anunciou que o Governo Federal autorizou no dia 29, a cessão de portaria lavra de fosfato da Edem Mineração e para a E2 Minerais Ltda., em Bonito. As duas empresas vão realizar pesquisa de rocha ornamental (mármore).

Além disso são nove processos da Atrative Empreendimentos e Part. Ltda., com sede em Cachoeiro de Itapemirim-ES, nas cidades de Bonito, Miranda e Corumbá; nove processos da Sam Granitos Exporte Ltda., em Corumbá, e uma empresa de Dracena – SP a Agropecuária Santa Estela Ltda., que está autorizada a pesquisar uma jazida de Calcário na divisa dos municípios de Jardim e Bonito.

A pesquisa consiste em investigar áreas em busca de jazidas de rochas tanto ornamental como rochas calcarias e avaliar a viabilidade econômica destas jazidas. Quanto as emissões de alvarás de Pesquisas no Estado, no acumulado de 2022, 25 alvarás de pesquisa já foram emitidos. Em todo o período 2015-2022, foram emitidos para o Estado do MS um total de 718 alvarás.

REUNIÃO DA CÂMARA DE MINERAÇÃO DO ESTADO

No dia 28, na sede da Semagro no Parque dos Poderes, foi realizada a primeira reunião do ano da Cadeia Setorial Consultiva da Cadeia Produtiva Mineral- MS Mineral. O encontro foi presidido pelo Secretário de Estado Jaime Verruck, Eduardo Pereira ( secretário executivo da Cadeia Mineral, ANM (Antônio Claudio Berssoti e Reinan Bispo) e do  CREA-MS (Milton Medeiros Saratti) e foram tratadas a composição da nova Presidência e Secretaria Executiva, com a definição e eleição ficando para o início de Junho/22.

Na reunião, também foi solicitada a intervenção do Estado junto a Energisa sobre o aumento da demanda de energia principalmente em Bela Vista,  Bodoquena,  Bonito, Jardim e Miranda, onde estão as jazidas de Fosfato e  calcários tanto calcíticos como dolomíticos, tão importantes para o agronegócio do Estado.

Outra demanda levantada durante a reunião foi a possibilidade de convidar a fazer parte desta Câmara Setorial Mineral, duas importantes entidades do setor a ABREFEM- Associação Brasileira de Remineralizadores e a ABINAM- Associação Brasileira da Indústria de Águas Minerais. Ainda foi debatida a demora na liberação de Alvarás de Pesquisas por parte do Gabinete de Segurança Institucional do Governo Federal nas áreas de Faixa de Fronteiras, onde estão as maiores reservas minerais do Estado, comentou  o secretário executivo Eduardo Pereira.

Publicado por: Rosana Siqueira