27 de setembro de 2020
Campo Grande 39º 25º

Indústria de alimentos no Estado pode crescer até 10% este ano

Com 957 estabelecimentos instalados em Mato Grosso do Sul e que juntos empregam formalmente 45.556 trabalhadores, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems, o segmento da indústria de alimentos pode crescer neste ano de 2014 até 10% sobre o faturamento de R$ 11,8 bilhões obtido no ano passado, o que resultaria em montante de R$ 12,98 bilhões. De acordo com o presidente do Siams (Sindicato das Indústrias de Alimentação de Mato Grosso do Sul), Cláudio George Mendonça, o segmento inicia o ano superando o crescimento obtido no ano passado. foto bebidas 3 “Em 2013, a expectativa de crescimento inicial era de 4%, mas chegamos ao final do ano com um aumento de 15% na geração de receita”, afirmou Cláudio Mendonça, creditando o sucesso do ano passado ao aquecimento da economia, que, com a inclusão da classe “C” e o aumento da capacidade de renda no Estado, gerou um aumento do consumo. Além disso, as indústrias têm ganhado cada vez mais espaço no cenário nacional, levando o nome de Mato Grosso do Sul e incrementando a geração de emprego e renda. Para este ano, o cenário é positivo e a perspectiva é de crescimento, já que grandes eventos como o Carnaval, a Copa do Mundo e as eleições para presidente da República, senador, governador e deputados federal e estadual devem alavancar o consumo de alimentos e bebidas. “Temos grandes empresas exportadoras que produzem para o Brasil inteiro e elas têm a possibilidade de trazer um mercado maior e, com isso, vamos fornecer produtos que estão ligados ao consumo direto da população”, avaliou o presidente do Siams. Ele destaca ainda que a Copa do Mundo é considerada como a estação do verão para o setor de bebidas. “Sem dúvida, é um dos movimentos de maior consumo e que deve aquecer o mercado como um verão inteiro, concentrado em apenas um mês de evento, criando esse momento de consumo imediato. Tanto a Copa quanto as eleições deve gerar esse crescimento na economia, de consumo de alimentos e bebidas”, comentou. Com a expectativa de crescimento elevada, a produção também deve aumentar e gerar mais empregos no setor de alimentos em Mato Grosso do Sul. “As indústrias, com certeza, vão exigir mais mão de obra. Nesse sentido, a Fiems, por meio do Senai, desempenha um  papel importante na qualificação dos trabalhadores que atuam em todos os segmentos industriais”, pontuou. Heloísa Lazarini com assessoria