25 de outubro de 2020
Campo Grande 32º 21º

Rinha de cães

22 investigados por rinha de cães em SP são presos novamente

Decisão foi do TJ paulista

Tribunal de Justiça paulista determinou a prisão de 22 dos 41 envolvidos em rinhas de cães, flagradas pela polícia no sábado (14), em Mairiporã, na grande São Paulo. Os 41 suspeitos haviam sido soltos pela Justiça dois dias depois da prisão, ficando somente o líder da quadrilha, Djoy Rodrigues, preso.

Quando da soltura dos 41 presos, o juiz André Luiz da Silva argumentou que não havia nada a indicar que, soltos, eles colocariam em risco a ordem pública ou prejudicariam a investigação. Na ocasião estabeleceu fiança de 2 a 60 salários mínimos aos investigados.

No entanto, conforme o R7, segundo decisão desta sexta, assinada pela juíza Daniela Aoki de Andrade Maria, não constou no alvará de soltura de alguns dos detidos a necessidade de comparecimento perante ao juízo. São eles: André, Edivan, Brayan, Fábio, Alexandre, Klebson e Pedro, de maneira que “não se pode considerar ter havido efetivo descumprimento em relação e eles, que deverão ser agora intimados a comparecer perante o juízo no primeiro dia útil subsequente”.

Em seguida, a juíza argumenta que desde a soltura “deixaram alguns dos suspeitos de cumprir as determinações que lhe foram dirigidas, a demonstrar que de fato não pretendem colaborar com a Justiça”. Por isso, a magistrada determina a revogação da “benesse concedida” e determina a prisão de 22 envolvidos.

O caso

A Polícia Civil do Paraná, em conjunto com o DPPC (Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania) de São Paulo, prendeu cerca de 40 pessoas, no último sábado (14), em uma rinha internacional de cães.

O crime ocorria em uma chácara na cidade de Mairiporã, na Grande São Paulo. Entre os detidos, estavam criminosos de diversas nacionalidades e um policial militar. Dois jovens menores de idade foram apreendidos e um homem permanece foragido.

Segundo a polícia, as duas crianças que estavam no local tinham 12 e 14 anos. O pai tinha guarda compartilhada dos menores e alegou para mãe que ia para praia. A competição também contava com o apoio de um médico e um veterinário, que medicavam os animais feridos para reabilitá-los para uma próxima luta. No local, também foram apreendidos troféus e camisetas com a listagem das competições.