26 de janeiro de 2021
Campo Grande 30º 21º

Agepen

Agepen faz testes rápidos em detentos na penitenciária do Jardim Noroeste

São aplicados testes rápidos de HIV, sífilis e hepatites B e C nos detentos

A Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen) e as secretarias Estadual e Municipal de Saúde estão fazendo um mutirão no Complexo Penitenciário do Jardim Noroeste para aplicação, em detentos, de testes rápidos de HIV, sífilis e hepatites B e C. O objetivo é prevenir a disseminação de doenças infectocontagiosas entre eles.

O infectologista Maurício Pompílio, por intermédio da Sociedade de Infectologia de Mato Grosso do Sul, afirma que a iniciativa visa diminuir os riscos de contágio e as complicações das doenças infectocontagiosas entre os privados de liberdade. Para ele, as doenças sendo detectadas precocemente podem ser tratadas, bem como podem ser fornecidas as orientações necessárias.

“Segundo dados do Ministério da Saúde de 2015, as chances dos encarcerados contraírem esses tipos de doenças são 28 vezes maiores que da população geral, por isso, é importante realizarmos esse trabalho de conscientização e prevenção entre os detentos”, ressalta o infectologista.

 De acordo com o Portal MS, o projeto teve início com testes realizados com 400 internos do Presídio de Trânsito.  “Todos os casos notificados já iniciaram o tratamento na mesma semana da aplicação dos testes”, ressalta a diretora do Módulo de Saúde, Angélica Rosa de Almeida. Ela ressalta a importância de toda a equipe de servidores penitenciários e de profissionais da saúde. “Foi necessário um trabalho de logística afinado, pois além da coleta de sangue realizamos os protocolos de documentação para dar início ao tratamento nos casos necessários”, destaca.

A previsão é de que em dezembro sejam realizados os testes em detentos do Centro de Triagem Anísio Lima. Angélica explica que a ação não atingirá reeducandos do Instituto Penal de Campo Grande (IPCG) porque eles já realizaram os testes rápidos de hepatite B, hepatite C, sífilis e HIV/Aids, por meio de um programa nacional, em junho deste ano.

Em funcionamento desde meados de 2017, o Módulo de Saúde proporciona mais celeridade e qualidade na atenção à saúde de internos. Além dos mutirões preventivos, são realizados no local atendimentos médicos, como clínico geral e de psiquiatria, odontológicos e de enfermagem, além de assistência social e psicológica. Somente em outubro, cerca de 1,9 mil atendimentos foram realizados na unidade, abrangendo reeducandos do Ptran, CT e IPCG.

Para o diretor-presidente da Agepen, Aud de Oliveira Chaves, as ações como a aplicação destes testes demonstram o comprometimento da instituição, e dos servidores, em garantir mecanismos para a manutenção ou melhoria na saúde dos custodiados. “Iniciativas como essa trazem bons resultados, pois possibilita uma gestão eficaz”, conclui o dirigente.