22 de abril de 2021
Campo Grande 29º 18º

Produtor rural

Agroindústria familiar é aposta de novo começo para diversas famílias em MS

A- A+

O sonho de gerar empregos em um distrito pequenino, com pouco mais de 1.500 habitantes, e ainda chegar à marca de 10% de toda mandioca que é consumida em Mato Grosso do Sul. É com esse propósito audacioso na cabeça e a coragem de encarar o balcão de descasque de mandioca, que o pequeno produtor e, agora, micro empresário Jucelino Vitorino deu início a um sonho antigo: a inauguração da sua agroindústria familiar “Raiz Mandioca”, no distrito de Quebra Coco, situado a 71 km da Capital.

O lançamento oficial da pequena empresa foi feito na noite da última terça-feira (3), na escola estadual Vespasiano Martins. O espaço foi escolhido com carinho para acomodar melhor os amigos, familiares, autoridades e, também, futuros sócios. “Em 2015, o produto [mandioca] enfrentou uma desvalorização no mercado. Então, este ano, senti dificuldade em conseguir matéria-prima para o meu trabalho. Foi daí que surgiu a ideia de convidar 40 famílias ao plantio”, contou otimista o mais novo empreendedor do pequeno distrito de Sidrolândia.

“Cada família se comprometeu em produzir 13 hectares. O cultivo será feito de uma forma escalada. Quando chegar a época da colheita, nós faremos essa coleta e dividiremos os lucros, gerando valores para os produtores que não vão precisar sair de suas terras para ganhar o seu ganha-pão”,DSC03881detalha Jucelino que no momento compra grande parte da raiz de assentamentos e aldeias indígenas da região. Ação que ele não pretende interromper mesmo com a produção local.  “Todo mundo ganha nesse sistema. Assentados, comunidades indígenas e os próprios moradores do Quebra Coco”.

Gerar emprego, renda familiar e garantir um futuro melhor às famílias rurais, são estes os três pilares que sustentam o sonho de Jucelino. “Depois que a usina veio a fechar no Distrito, a gente entrou numa dificuldade financeira e ficamos sem renda. O nosso objetivo é gerar 180 empregos diretos e indiretos. Mas, para isso precisamos atingir 10% do que o Estado consome, aproximadamente, 100 mil quilos ao mês. Para gerar emprego e renda na região”.

Uma meta que para ele não está tão longe de ser atingida, graças à perseverança da família e as parcerias construídas ao longo do tempo. “A Agraer tem sido generosa com a gente, temos trabalhado com aqueles programas sociais que ela tem a nós oferecer. Acredito que muitas coisas boas estão para acontecer”, afirmou o jovem.

Manuseio de nota fiscal, criação da logomarca, embalagem e do código de barra foram alguns dos suportes dado pela Agraer. O próximo passo será o acompanhamento técnico nas lavouras de mandioca das 40 famílias. “Quebra Coco tem uma terra arenosa, propícia ao cultivo da raiz. A Agência é parceira de boas iniciativas como essa. No passado, Quebra Coco foi campeão em produção de banana e café no Mato Grosso do Sul. Esta agroindústria pode ser a oportunidade que faltava para retomar um posto de destaque na agricultura”, pontuou o diretor-presidente da Agraer, Enelvo Felini.

Construída à custa de muito suor, a agroindústria Mandioca Raiz, tem como principal combustível o empreendedorismo familiar de migrantes nordestinos, paraibanos. “Eu plantava e vendia mandioca. Certa vez, plantei meio hectare de mandioca para venda e, da sobra da lavoura, decidi fazer um reaproveitamento. No fim, eu consegui ter um lucro maior do que no repasse da raiz. Desse período em diante, eu e minha família alimentamos o sonho de ter o próprio negócio até que conheci a família de Roni Torres que me vendeu os direitos da marca ‘Mandioca Raiz’”, relembrou.

Foto: Divulgação

Criada em 1995 por um senhor (Olário) em Maracaju, os direitos da empresa foram repassados a uma família do assentamento Canta Galo, de Sidrolândia. “Por anos tocamos o empreendimento, mas, na comunidade em que vivemos falta mão-de-obra jovem, a maioria da população é aposentada e isso dificultava. Aqui, Jucelino tem ouro que é a mão-de-obra, coisa que lá, no assentamento, a gente não tinha”, disse o produtor rural Roni Torres.

Com 36 clientes cativos em Maracaju, Sidrolândia e até na Capital, mais do que expandir a freguesia, o próximo passado da família Vitorino é aumentar a estrutura da empresa. “Já vimos um terreno para construirmos um barracão que tenha condições de processar toda a produção dos 40 sócios. A ideia é equipar mais e melhor a empresa para a geração de empregos, uma maior profissionalização”, garantiu Juvelino.

No lançamento da agroindústria, como incentivo a Agraer se prontificou em promover um encontro entre a família Vitorino com os empreendedores da agroindústria Morraria do Sul, de Bodoquena. “A troca de conhecimento e transferência de tecnologia são importantes para todo bom empreendimento. A Agraer tem um trabalho com os produtores de Bodoquena e estamos à disposição do Jucelino para uma visita ao estabelecimento”, afirmou.

Com um ano de existência, a Morraria do Sul comercializa seus produtos em Bodoquena e Bonito, uma das principais rotas turísticas do Estado. Com a marca Sabores Naturais de Morraria, a unidade já produz mandioca crua, mandioca pré-cozida e abóbora crua, toda linha descascada e embalada a vácuo e 100% natural, orgânica, com opções de embalagens com 500g, 1kg e 3kg. “Temos interesse em melhorar o nosso trabalho e toda parceria vem para agregar”, concluiu Jucelino. (Com assessoria)