01 de dezembro de 2020
Campo Grande 33º 24º

Corumbá e Ladário

Artesãs de Corumbá e Ladário prestigiam a Oficina de Fibra Vegetal Salsaparrilha durante o Fasp

 Nesta manhã ensolarada de segunda-feira, 11 de novembro, iniciou-se em Corumbá a Oficina de Fibra Vegetal Salsaparrilha, dentro da programação do 15º Festival América do Sul Pantanal. A Casa do Artesão da cidade acolheu o ministrante, Angelino Ferreira Nazário, e as participantes, para juntos desenvolverem belos trabalhos em cestaria.

O mestre Angelino, natural de Corumbá, trabalha com a fibra salsaparrilha desde 1985. Sua avó, a boliviana Maria Dolores, repassou os saberes para ele, para seu irmão Davi e para os outros quatro irmãos. Todos sentavam-se juntos e produziam com a avó no quintal. “Naquela época tinha salsa em todo lugar e sobrevivíamos disso, fazendo cestos”. Atualmente os únicos irmãos que produzem o artesanato em salsaparrilha são Davi e Angelino. A matéria-prima está concentrada mais na região boliviana e durante a oficina serão desenvolvidas cestarias tradicionais em diversos formatos.

Angelino explica que a fibra vegetal salsaparrilha vem do cipó, que é recolhido em regiões de morraria. “A colheita do cipó é feita nos morros, mas tem que ser em lugares que não mexeram na vegetação, que não teve queimadas, se não ele não nasce. Recolhido o cipó, fazemos a fibra com a faca. Tem que ser o cipó maduro, a casca tem que estar escura”.

Para o senhor Argelino, o artesanato é uma terapia e uma fonte de renda. “Quando você tem uma situação apavorada, você fica tão entretido com a atividade que se esquece de tudo, vai ficando calmo, dá um bem-estar na gente. E também dá uma forcinha pro bolso da gente”.

A artesã Migdonia Nogueira, de Ladário, que trabalha no “Amor Peixe” fazendo artefatos de couro de peixe, decidiu aprender a fazer a trama com a salsaparrilha. “Eu via o trabalho do Argelino, achava muito bonito, como surgiu esta oportunidade, resolvi aprender. Eu estou mexendo com artesanato para tirar o stress, pois trabalho no ramo imobiliário, e estou aqui para aprender com as amigas. Faço tudo nas horas vagas e é uma atividade que gera um dinheiro. Este ano vou pegar a renda do que vender e doar para a Rede Feminina de Combate ao Câncer”.

Também artesã do “Amor Peixe” e colega de Migdonia, a corumbaense Guilhermina Batista do Nascimento decidiu acompanhar a amiga e fazer a oficina de cestaria. Guilhermina vive exclusivamente do artesanato e gosta mito do que faz. “Fico aqui na Casa do Artesão direto. Quero aprender mais técnicas. O Festival é uma oportunidade pra trazer turistas para nossa cidade, aqui é muito bonito e as pessoas não conhecem. E também gera emprego e renda para a cidade”.

A Oficina de Fibra Vegetal Salsaparrilha vai até o dia 15 de novembro e oferece 10 vagas para cada turma, nos períodos matutino e vespertino. Acontece sempre na Casa do Artesão de Corumbá, que fica na Rua Dom Aquino, 405 – Centro. Inscrições e Informações pelos telefones (67) 3231.2715 / 99916.1388 (Ana Paula).

Fasp – Realizado com investimento público da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul e patrocínio da Energisa, Vale, Caixa Econômica Federal e Governo Federal, o 15º Festival América do Sul Pantanal (Fasp) acontece entre os dias 14 e 17 de novembro.

A programação foi pensada para agradar a todos os gostos. E claro, tudo com entrada franca. Mais informações sobre o evento podem ser obtidas na nossa página (www.fundacaodecultura.ms.gov.br) ou pelo telefone 3316-9109.