25 de setembro de 2020
Campo Grande 36º 22º

Etanol

Crescimento da produção de etanol de milho no País deve continuar forte

Crescimento da participação do milho na produção de etanol no Brasil é uma tendência que veio para ficar. A avaliação é de Hélio Sirimarco, vice-presidente da SNA.

O executivo ressalta que a produção do biocombustível deve superar os 2 bilhões de litros em 2019 e chegar aos 8 bilhões de litros em nove anos.

"A fatia da produção de etanol de milho na oferta total do biocombustível do País deverá chegar a 8% em 2020 e atingir até 20% em 2028, segundo as estimativas de representantes do setor presentes na 19ª Conferência Internacional Datagro sobre Açúcar e Etanol", afirma Sirimarco.

Em relatório divulgado no dia 31 de outubro, a consultoria INTL FCStone informou que a oferta de etanol de milho deve seguir em forte alta na safra 2020/2021, na comparação com a expectativa do ciclo 2019/2020.

"O aumento é baseado na ampliação da capacidade produtiva, tanto por meio da inauguração de novas destilarias, em 2019 e em 2020, quanto pela expansão do potencial atual", indicou a empresa no documento.

Em relação a possíveis impactos nas cotações com o aumento do uso do cereal para a produção do biocombustível, Sirimarco explica que o preço do milho é determinado por vários fatores, não só pela demanda interna.

"Além disso, é importante ressaltar que o esmagamento do milho não resulta somente na produção do etanol, mas também do DDGS, um concentrado proteico extraído durante o processo de destilação que pode ser uma alternativa economicamente viável para a alimentação animal nas regiões em que o cereal apresenta preço baixo", afirma.

"Devido ao seu alto teor em energia, fósforo e aminoácidos em comparação com o milho, trigo e cevada, é uma alternativa nutricional e econômica na substituição destes alimentos na dieta dos animais".

Mato Grosso se destaca com novas usinas

Sirimarco lembra que o Mato Grosso, estado que se destaca na produção do biocombustível feito com milho, tem 12 usinas de etanol, sendo sete exclusivamente de cana, três de cana e milho e duas que usam somente milho. E o número deve aumentar.

Sirimarco conta que o presidente do Sindicato das Indústrias Sucroalcooleiras do Estado de Mato Grosso (Sindalcool/MT), Silvio Pereira Rangel, já anunciou que cinco novas usinas exclusivas de milho serão inauguradas até 2021 e unidades de grupos tradicionais de cana, como a Barrálcool e a Itamarati, devem ser transformadas para processar também o grão.

Segundo Guilherme Nolasco, presidente da União Nacional do Etanol de Milho (Unem), Mato Grosso deve se consolidar como o maior produtor brasileiro de etanol de milho.

A produção deverá acompanhar o aumento estimado da produção do cereal, que deverá passar de 31 milhões de toneladas na última safra, para 52.2 milhões de toneladas em 2028.

Mercado da cana-de-açúcar

O vice-presidente da SNA também afasta a possibilidade de impactos mais relevantes dessa nova tendência para os produtores de cana.

"O mercado da cana-de-açúcar não é influenciado só pelo etanol. Na realidade, o que mais pesa é o comportamento do preço do açúcar, principalmente no mercado internacional", ressalta.

Segundo a FAO (agência da ONU para alimentação e agricultura), a produção global de açúcar deve cair 2,80%, para 175.1 milhões de toneladas, em 2019/20, em comparação a uma redução do consumo de 1,40%, para 177.5 milhões de toneladas no período. Isso irá representar um déficit global de cerca de 2.4 milhões de toneladas.

O índice de preços do açúcar da FAO ficou em média em 178,3 pontos em outubro, alta de 5,80% na comparação com setembro.

Com a expectativa de alta nos preços do açúcar no mercado internacional, a parte do álcool no mix de produção da cana no centro-sul brasileiro, principal região produtora, deve cair.

De acordo com o relatório da INTL FCStone, a fatia do processamento da cana voltada para a produção de açúcar aumentará de 34,60% para 37,40% na comparação da safra 2019/2020 com 2020/2021.

A estimativa da consultoria é de que a produção de açúcar no centro-sul deve ficar em 28,5 milhões de toneladas em 2020/2021, com aumento de 8,80% em relação à safra anterior, com 26,2 milhões de toneladas.