03 de dezembro de 2020
Campo Grande 34º 23º

VISITA

Ex-presidente Lula recebe benção de papa Francisco no Vaticano

A reunião ocorre um dia depois de o papa publicar o texto final do Sínodo da Amazônia que fala da “responsabilidade de governos nacionais” e da “louvável” atuação de ONGs internacionais

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se encontrou nesta quinta-feira (13), com o papa Francisco, no Vaticano. Em uma das fotos publicada em sua conta no Twitter Lula aparece recebendo a bênção do Papa. A viagem já estava prevista desde a semana passada, e se confirmou após Lula ter conseguido adiar na Justiça o depoimento que deveria prestar na operação Zelotes, previsto para a última terça-feira (11). “Encontro com o papa Francisco para conversar sobre um mundo mais justo e fraterno”, escreveu o ex-presidente.

O encontro entre a personalidade religiosa e o político brasileiro mais conhecido em todo acontece após o Papa publicar o texto final do Sínodo da Amazônia que fala da “responsabilidade de governos nacionais” e da “louvável” atuação de Organizações Não Governamentais (OGNs) internacionais na “preservação do meio ambiente e recursos naturais” da floresta.

O documento traz no título a chamada “Querida Amazônia”, e fala que o bioma enfrenta um “desastre ecológico” e faz um apelo para que se ouça tanto o “clamor da terra como dos pobres”. “Os interesses colonizadores que, legal e ilegalmente, fizeram – e fazem  aumentar o corte de madeira e a indústria minerária e que foram expulsando e encurralando os povos indígenas, ribeirinhos e afrodescendentes, provocam um clamor que brada ao céu”, escreveu o Papa.  

O líder católico também descartou a possibilidade de ordenar homens casados como padres na Amazônia. A proposta havia sido aprovada por 128 votos contra 41 no sínodo sobre a floresta como resposta à escassez de sacerdotes na região, mas precisava do aval do pontífice.

Esteve como intermediador do encontro o presidente da Argentina, Alberto Fernández, que havia se reunido com o líder da Igreja Católica no fim de janeiro. Desde que saiu da prisão em novembro de 2019, o ex-presidente vinha manifestando a conhecidos o interesse de visitar o Papa. Em março daquele ano, enquanto cumpria pena pela primeira condenação na Operação Lava Jato, o ex-presidente escreveu uma carta ao argentino, que foi respondida dois meses depois.

“Lula quer agradecê-lo pela carta que ele enviou de maneira muito carinhosa”, disse o ex-ministro Gilberto Carvalho, amigo de Lula e hoje o maior interlocutor do partido com as lideranças religiosas . Segundo ele, o tema da conversa seria a questão ambiental, a fome e a desigualdade social no mundo.