27 de outubro de 2020
Campo Grande 28º 22º

MEIO AMBIENTE

Incêndios no Pantanal já registram impactos incalculáveis em 2020

Famílias pantaneiras são as mais expostas aos danos das queimadas, desenvolvendo problemas respiratórios e tendo comprometidos seus meios de sobrevivência

O número de focos de incêndio no Pantanal de janeiro a abril de 2020 aumentou 40% em relação ao mesmo período do ano passado. Esse aumento também foi no tamanho total de área queimada no mês de março, sendo 10 vezes maior do que em 2019. 

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) registrou focos de incêndios em especial na região da Serra do Amolar. O comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Joilson Alves do Amaral, afirma que a evolução dos focos de incêndio está adiantada em relação à previsão e que os números de focos de calor estão acima da média. “O mês de março foi o maior da série histórica (desde 1999) e o mês de abril, até o momento, já tem o maior número de queimadas dos últimos 10 anos”.

Em entrevista esta semana para o Observatório do Pantanal, o diretor presidente da Ecoa*, André Luiz Siqueira, ressaltou que “é preciso que todas as instituições se unam para evitar que a calamidade do ano passado se repita, causando não só prejuízos ambientais, mas também sociais e econômicos, em especial para as populações locais. […] No ano passado, muitas áreas com populações extrativistas foram perdidas, em um período de produção de frutos nativos. Muita queima também de polinizadores, de animais, problemas respiratórios em indivíduos das comunidades, enfim, impactos econômicos incalculáveis”. 


IMPACTOS NAS CIDADES

Os prejuízos causados pelas queimadas também são para as cidades. André relembra da situação da população de Corumbá, que chegou a ficar quase um mês isolada por conta das queimadas nos cabos de fibra óptica de internet. “As queimadas causaram muitos impactos também à cidade, a todo funcionalismo público, empresários e sociedade em geral. Por isso, temos que nos unir para que esse fato dramático não se repita”. Além disso, quem se lembra do céu coberto pela fumaça em cidades que fazem parte ou próximas ao Pantanal?  

A Ecoa promove a campanha permanente “Queimada Mata”. Monitora e acompanha diretamente junto as comunidades a situação para prevenir maiores riscos às famílias e ao ambiente. Os problemas respiratórios já são consequências das queimadas que estão sendo informadas por elas, por exemplo, na comunidade do Paraguai-Mirim e Porto Esperança. A preocupação é ainda maior com o fato somado à COVID-19. 

MEDIDAS TOMADAS 

Segundo a matéria do jornal Gazeta Trabalhista, o Governo do Estado enviou aeronaves e efetivo do Corpo de Bombeiros Militar para o município de Corumbá nesta terça-feira, 21. De acordo com o Coronel Joílson, estão à disposição no Aeroporto de Corumbá duas aeronaves Air Tractor, específicas de combate a incêndio florestal, enviadas pelo Corpo de Bombeiros Militar de MT e do DF. 

O secretário Jaime Verruck informa que a Polícia Militar Ambiental vai investigar a origem das queimadas. “Queimada é crime ambiental e algumas denúncias recebidas pela PMA serão devidamente apuradas […]”.

Com informações de Gazeta Trabalhista e Observatório do Pantanal.