29 de novembro de 2020
Campo Grande 35º 23º

AQUIDAUANA

Lideranças acompanham ações de saúde e aplicação de recursos na crise do Covid-19

Até agora sem nenhum caso de infecção pelo coronavírus, o Município convive com a preocupação acumulada por notícias da pandemia e outras doenças epidêmicas, como a dengue e a gripe influenza

Para discutir a situação geral da saúde em Aquidauana e as ações do poder publico para atender as diversas demandas de atendimento em meio à pandemia do Covid-19, quatro lideranças populares reuniram-se hoje residência do vereador Válter Neves (PSD). O anfitrião recebeu três colegas - os vereadores Edinho Grance e Moacir Pereira (PSD) e Aguinaldo da Saúde (Podemos) – e o ex-vereador e ex-vice-prefeito Vanildo Neves.

Até agora sem nenhum caso de infecção pelo coronavírus, o Município convive com a preocupação acumulada por notícias da pandemia e outras doenças epidêmicas, como a dengue e a gripe influenza. E a situação torna-se ainda mais aflitiva diante das condições estruturais que afetam a capacidade de atendimento da rede publica de saúde, apesar de o Município estar sendo contemplado seguidamente com verbas exclusivas e carimbadas para investir nas necessidades do setor.

Por isso, entendendo que além de lutar e reivindicar por melhorias urgentes no sistema, os cinco líderes salientam que a população quer saber o total de quanto é repassado à Prefeitura para investir na saúde, em quais itens é feito o investimento e quais as garantias da aplicação correta e resolutiva desses recursos. Eles são autores de inúmeras iniciativas que vêm auxiliando a Prefeitura no custeio da rede, como o pedido pela emenda parlamentar de R$ 330 mil ao deputado estadual Felipe Orro (PSDB). O governo já liberou a emendaa para o Município.

Com esse dinheiro, a Prefeitura ganhou um reforço para cobrir a folha de salário dos profissionais da saúde. Os médicos, por exemplo, em milhares de municípios vêm passando por dificuldades e desafios desumanos, expostos ao vírus, sendo infectados e não tendo outro meio de chamar a atenção das autoridades são obrigados até a entrar em greve. “Isso não pode acontecer em nenhum lugar. E nós, que amamos a nossa cidade e queremos o bem-estar de nossa gente, não podemos deixar brechas para que tais coisas ocorram aqui”, afirmaram.

REPASSES 

Há ainda outros repasses que os governos estaduais e federais transferem regularmente aos cofres da municipalidade para ser aplicados na melhoria do atendimento em saúde. Para Valter, Edinho, Moacir, Aguinaldo e Vanildo, há necessidade indiscutível de saber aonde e como as verbas da saúde são investidas, pois a população tem o melhor conhecimento sobre suas reais carências e muitas vezes há problemas na rede de saúde em decorrência da destinação equivocada ou mau uso do dinheiro.

Entre os problemas do sistema de saúde local estão o atraso nos salários, falta de medicamentos na farmácia básica e demora na realização de exames pelo CEM (Centro de Especialidades Médicas), com pacientes que acumulam mais de seis meses na fila de espera. Os vereadores e o ex-vice-prefeito fizeram questão de reafirmar solidariedade e apoio aos profissionais da saúde em Aquidauana. “As deficiências no sistema só não impediram os bons resultados que são garantidos por seu quadro de trabalhadores. São profissionais de saúde dedicados, competentes, cumprem suas atribuições com amor, mesmo sem condições dignas e necessárias de trabalho. Deveriam ser valorizados pelo poder publico”.

DEMANDAS

Hospital Regional estácio Muniz, de Aquidauana.

É louvável e oportuna a mobilização dos vereadores. Eles têm em mãos dados científicos e oficiais que permitem avaliar e até prever o que pode acontecer caso seja necessário adotar as providências extremas em situações de máxima emergência para atendimento em massa da população. O principal estabelecimento hospitalar local é o Hospital Regional Estácio Muniz.

Além dos cerca de 50 mil aquidauanenses, outros cinco municípios estão na cota microrregional de assistência por este hospital pelo Sistema Único de Saúde (SUS): Anastácio, Miranda, Dois Irmãos do Buriti, Bodoquena e Nioaque. No total, os seis municípios somam aproximadamente 180 mil pessoas.

Índios da Aldeia Limão Verde, em Aquidauana.

As dificuldades se acentuam em virtude das distâncias e da distribuição rarefeita da população. Conforme os registros demográficos, fora a área urbana Aquidauana tem quatro distritos e ainda abriga 11 aldeias com quase três mil índios: Água Branca, Ipegue, Lagoinha, Bananal, Morrinho, Colônia Nova, Limão Verde, Imbirussu, Buritizinho, Córrego Seco e Cruzeiro. E em sua grande extensão territorial, que avança Pantanal adentro, existe uma imensa quantidade de propriedades rurais.

As distâncias são complicadores extras para o acesso rápido aos serviços de assistência, avaliam as lideranças, que ao final da reunião agendaram novas conversas para avaliar os resultados do monitoramento a ser feito com apoio da população para saber em tempo real como estão sendo desenvolvidos os serviços de atendimento, proteção e prevenção da comunidade na rede publica de saúde.