05 de dezembro de 2021
Campo Grande 33º 23º

Geral

Mais de 30 mil famílias carentes já tiveram acesso ao cartão do "Mais Social"

A- A+

Para ajudar e dar mais dignidade a quem precisa, o Governo do Estado já contemplou mais de 30 mil famílias em situação de vulnerabilidade com o cartão do programa "Mais Social", que disponibiliza o auxílio de R$ 200,00 por mês, para compra de alimentos e materiais de higiene. As entregas e cadastros continuam, já que a meta é chegar a 100 mil contemplados.

O programa que tem caráter definitivo e não provisório, visa atender as famílias que estão em situação vulnerável no Estado, com uma renda mensal familiar per capita inferior a meio salário mínimo. A iniciativa tem um investimento de R$ 380 milhões do governo estadual até 2022.

De acordo com a Sedhast (Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho) até o momento 33.049 famílias já foram atendidas no Estado, e as entregas e cadastros continuam. O programa inclusive permitiu a transferência dos beneficiários do "Vale Renda" para este novo projeto.

"Estamos trabalhando em ritmo acelerado para que esses cartões cheguem o mais rápido possível nas mãos dos beneficiários. São famílias em vulnerabilidade social que agora podem contar com R$ 200 mensais para compra de alimentos e itens de higiene pessoal. É uma determinação de nosso governador", descreveu a titular da Sedhast, a secretária Elisa Cleia Nobre.

A secretária destacou que visitas estão sendo feitas e os dados coletados para análise minuciosa das famílias, que posteriormente serão incluídas no programa. "Estamos trabalhando com agilidade, para que esse recurso chegue nas mãos de quem realmente precisa e possa ajudar as famílias carentes", descreveu.

Entregas

Durante as entregas e lançamento de obras no interior do Estado, o governador Reinaldo Azambuja também está fazendo as entregas dos "cartões sociais" para as famílias carentes de diferentes cidades, como Dourados, Corumbá, Paranhos,  Chapadão, Amambai e Sidrolândia, assim como em Campo Grande.

"Com esses cartões, as famílias terão R$ 200 para completar a compra de alimentos, ou de material de higiene pessoal. Muitos nos questionaram do porquê de não darmos uma cesta básica em vez do cartão. E a resposta é para dar mais dignidade a elas, que vão poder escolher o que comprar, seja arroz, feijão, macarrão ou outro alimento", afirmou o governador Reinaldo Azambuja.

O governador descreveu que o "Mais Social" é uma forma de ajudar as famílias sul-mato-grossenses que mais precisam do auxílio do poder público. "Este é um benefício que não é apenas para a pandemia e sim um programa definitivo. Com o controle sanitário, buscamos também inovar para enfrentar a crise e uma das medidas foi criar programas de incentivos e de apoio às famílias", completou.

Famílias contempladas

O auxílio de R$ 200,00 ajuda muitas famílias que reduziram ainda mais suas rendas durante a pandemia e precisam deste apoio. "É uma ajuda fundamental para nossa família, pois estou sem emprego e este recurso será para comprar uma cesta básica", contou Amélia Brites, uma das contempladas da cidade de Paranhos.

Também da região de fronteira, Alvino Sanches, descreveu que sua inclusão no "Mais Social" foi um alívio para as compras do mês. "Sou nascido e criado aqui em Paranhos e só temos que agradecer ao governador por este auxílio, que vai nos ajudar muito".

Para Juliana Gamarra Nunes, de 35 anos, moradora de Amambai, o recurso mensal vai ser essencial, já que está desempregada há seis meses. "Com o dinheiro vou poder comprar comida e coisas para os meus filhos, que têm 6 e 13 anos", revelou.

Contemplada em Corumbá, a diarista Giovana Ferreira da Silva, de 30 anos, ressaltou que a ajuda chega em um momento difícil, por falta de oportunidade de emprego. Esse cartão é uma benção, vai ajudar muito, minha família está passando necessidades. Agradeço muito ao governador".

O programa faz parte do "Retomada MS", que se trata de um pacote de investimentos do Estado, que chega a R$ 1 bilhão, com a intenção de ajudar famílias e setores que foram mais prejudicados durante a pandemia. 

Leonardo Rocha, Subcom 

Fotos: Chico Ribeiro

Fonte: Governo MS