03 de maro de 2021
São Paulo 39º 24º

Venezuela

Militares que atuaram em força-tarefa na fronteira com a Venezuela retornam a MS

No saguão da Ala 5, famílias e amigos aguardavam ansiosos a chegada dos militares do Comando Militar do Oeste, que estavam na Força Tarefa Logística Humanitária “Operação Acolhida”, em Roraima (RR). Às 10 horas desta terça-feira, 30 de abril, após três meses longe de casa, eles desembarcaram em Campo Grande com a certeza de que a missão foi cumprida com excelência.

“Deixamos a nossa família, nosso aquartelamento e partimos para um lugar distante para recepcionar pessoas que não conhecíamos. Não foi fácil, mas retornamos, agora, com espírito de missão cumprida”, disse o sargento Ezequiel Vieira Tomaz, da Base de Administração e Apoio do CMO.

O Comandante Militar do Oeste, General de Exército, Lourival Carvalho Silva, fez questão de receber o grupo ainda na porta da aeronave. Na sequência, ao som da banda de música do CMO, os militares, enfim, abraçaram seus familiares, para a alegria de dona Elizabet Cristina Berlt, tia e madrinha do tenente Mário Cesar Berlt Azuage, do 9º Batalhão de Suprimento.

“A saudade cada dia aumentava mais e conseguimos vencê-la pela fé, pela oração. Acreditamos que tudo é por Deus e essa era a missão dele, uma experiência única para o meu afilhado”.

Enquanto isso, um casal se abraçava com lágrimas no rosto. Era mais um momento de reencontro e de retorno ao lar. “A saudade, realmente, foi muito grande, mas, eu e todos da nossa família, ficamos muito orgulhosos por ele ter participado”, falou Laura Schimenes Luiz Torres, esposa do sub-tenente Sandro Nunes, do 6º Centro de Telemática de Área.

“Tenho 26 anos de serviço e essa foi a minha primeira oportunidade em uma tarefa humanitária. Eu vi a importância do nosso trabalho para os venezuelanos. A gente cresce como pessoa, mas, para eles, é o início de uma nova vida”, explicou ele.