21 de outubro de 2020
Campo Grande 29º 21º

#LUTO

Morre soldado do MS que combateu contra o Exército de Hitler

Nascido em Amambai, combatente esteve na II Guerra Mundial, como soldado da Força Expedicionária Brasileira

Faleceu na noite deste domingo, dia 24 de novembro, o ex-combatente da II Guerra Mundial, como soldado da Força Expedicionária Brasileira – FEB, Manoel Castro Siqueira, que foi para a guerra no 1° Escalão, pelo 6º Regimento de Infantaria, como atirador de morteiros da 5ª Cia. Ele nasceu em 29 de julho 1923, na cidade de Amambai/MS. Depois da guerra se estabeleceu em Campo Grande, onde por muitos anos trabalhou nos Correios e onde residia até então. Manoel deixa viúva a esposa Helena, filhos, netos e bisnetos.

A nota poderia terminar aqui, mas, quero lhes contar um pouco do que ele dividiu comigo, das lembranças que certamente hão de me acompanhar pelo restante dos meus dias.

Quando foi convocado, Manoel estava servindo em Ponta Porã. Atravessou o Oceano em meio a enjôos e incertezas. Treinou bastante para se adaptar ao estilo da guerra que estava sendo travada nas terras italianas, sentiu medo nos primeiros ataques e uma adrenalina imensa quando entrou em batalha pela primeira vez. Depois “pegou o jeito” de
como aquilo tudo funcionava e tocou a guerra nos meses que se passaram.

O risco de morte era constante, porque pela função que exercia, nos morteiros, os alemães podiam o “caçá-lo” para tentar neutralizá-lo (nome bonito para dizer que tentariam matá-lo primeiro).

Manoel sofreu quando viu o amigo Sebastião Ribeiro passar em uma maca, pertinho dele, sem vida e ele tendo que avançar sem nem sequer poder dar adeus ao colega de Ponta Porã, morto em combate.

Nosso Pracinha saiu em patrulhas, apoiou avanços, ataques, e no final da guerra, com um grande peso na consciência, foi ordenado a atirar contra uma ambulância alemã, enquanto substituía um soldado baixado no hospital, em uma posição de metralhadora ponto cinqüenta. Por sorte dele e azar do motorista alemão, naquele dia a ambulância não levava
feridos e sim, armamentos escondidos, como tática para tentar enganar os brasileiros. Foi um alívio quando a ambulância explodiu, cheia de explosivos. Depois ele ficou triste de novo, pelo motorista, mas, era
a guerra.

Manoel voltou da guerra, teve certa dificuldade para ser reintegrado, porque nós brasileiros temos o péssimo costume de não valorizar quem realmente merece, dando mais atenção aos “ídolos de barro” que parte da mídia ajuda a construir.

Demorou arrumar um bom emprego, ninguém queria contratar ex-combatentes, diziam que eles tinham voltado
“loucos” da guerra. Quando uma lei abriu vagas no serviço público, Manoel foi para os Correios. Ficou ali até se aposentar. Viveu uma vida mais tranquila.

Sem luxos, mas, tranquila, ao lado de seu único e grande amor, Helena. Nos últimos tempos, a idade começou a pesar, as lembranças da guerra começaram a voltar e ele já não era mais o mesmo. Adoeceu bastante e veio a falecer, deixando um vazio na vida de quem teve o privilégio de conhecê-lo.

Mato Grosso do Sul perde mais um de seus soldados na luta contra o
nazifascismo. O céu recebe mais uma estrela para brilhar na
constelação pantaneira da FEB. Que Deus o tenha! Vá em paz, camarada!

*Jornalista, Dr. em Comunicação, autor dos livros “Confissões do Front: soldados do Mato Grosso do Sul na II Guerra” e “Crônicas de sangue: jornalistas brasileiros na II Guerra Mundial”, amigo de Manoel.