29 de setembro de 2020
Campo Grande 37º 20º

Alíquotas do INSS

Nova tabela de cálculos e alíquotas do INSS já está valendo

A partir de agora, contribuirá com mais, quem ganha mais e esse impacto será sentido pelo trabalhador a partir de abril

Desde o dia 1º de março está em vigor a nova tabela de cálculos e alíquotas do INSS, publicada no Diário Oficial da União. A tabela já incorpora as novas regras da reforma da Previdência, aprovada em novembro de 2019. A partir de agora, contribuirá com mais quem ganha mais. No entanto, esse impacto será sentido pelo trabalhador a partir do mês de abril. As novas regras passam a valer também para servidores federais, ativos e inativos.

Antes as contribuições, eram de 8%, 9% e 11% por cento. Agora são quatro faixas para os trabalhadores do Regime Geral e oito faixas para o servidor público federal.

De acordo com a advogada trabalhista, especialista em previdência Priscila Arraes Reino, agora são mais faixas de contribuições. “Antes tínhamos apenas 3 alíquotas para quem é trabalhador da iniciativa privada, que recolhe INSS. As alíquotas eram de, 8% 9% e 11%. Agora nós temos mais faixas o que significa que vamos atingir de forma mais específica cada pessoa. Quanto mais ganha mais vai pagar”, afirmou.

Essas alíquotas serão aplicadas em cada faixa de salário, até o teto, que é o valor máximo que pode ser recebido pelo trabalhador. Hoje essa quantia é de R$6.101,06. Isso é semelhante ao que acontece no Imposto de Renda (IR). Confira a tabela abaixo.

Nova tabela de cálculos e alíquotas do INSS já está valendo

O novo cálculo da contribuição vale para os trabalhadores da iniciativa privada empregados, inclusive domésticos, e avulsos (que prestam serviços para empresas mas não têm carteira assinada). Para trabalhadores autônomos, inclusive prestadores de serviços, e segurados facultativos do INSS, continuam valendo as alíquotas atuais.

As medidas entram em vigor agora mas serão aplicadas sobre o salário pago em abril, afirma a advogada. 

Priscila destaca que para os servidores federais serão 8 alíquotas chegando a 22% pra quem ganha mais de 40.747,21. "Na verdade não deveria ter ninguém ganhando mais que isso que é po teto né. Mas acontece", salientou a advogada.