30 de novembro de 2020
Campo Grande 35º 24º

ISOLAMENTO

Para driblar saudade, crianças visitam bisavó pelo portão da casa todo dia

Por causa da pandemia do coronavírus, crianças têm mantido distanciamento de bisavó e conversas são feitas através de portão, em Itapetininga (SP).

Os encontros das crianças com a bisavó têm sido à distância nas últimas semanas por causa da pandemia do coronavírus. Mesmo sem beijo e abraço, o maior gesto de amor dos pequenos Thomaz e Bia, de 9 e 4 anos, é o de apenas passar na frente da casa da "bisa", em Itapetininga (SP).
Acostumados a frequentar a casa da dona Neusa todos os dias de manhã, depois da escola e aos domingos, os bisnetos têm compreendido a situação e respeitam o distanciamento social.

"A distância está sendo muito triste para os dois lados. No primeiro dia de distanciamento, todo mundo com nó na garganta, conversou através do portão. Isso para nós foi um sofrimento grande, porém necessário para preservar a vida dessa 'bisa' que tanto amamos", conta Aline Goes, mãe de Bia e Thomaz.

Aline contou que a família visita a "bisa" praticamente todos os dias, e ela sempre pergunta se não querem entrar. Mas ela explicou para os filhos que a doença prejudica os idosos, e quem é mais jovem pode ficar doente sem nem saber. Por isso, agora os irmãos andam até com um mini álcool em gel "divertido".

"Em pleno século 21 temos que nos distanciar por conta de um inimigo invisível que pode levar vidas embora se não tivermos cuidado, principalmente com a higiene das mãos e distanciamento social", diz.

"Meu filho está fazendo aulas à distância e a escola pediu que inventasse algo para a humanidade. Ele fez sobre a vacina do coronavírus e a propaganda foi: 'Se você vacinar, pode voltar a abraçar!'"

Aline afirma que o distanciamento social é um gesto de amor e que a família tem rezado para que a rotina normalize.

"Meus filhos falam que assim que puderem, a primeira coisa que vão fazer é correr pra casa da bisa. Estamos mantendo esse distanciamento somente por amor."