27 de setembro de 2020
Campo Grande 39º 25º

Seio de adolescente

Preso por apalpar seio de adolescente em ônibus diz que foi sem querer

Ele foi liberado em audiência de custódia e responde por importunação sexual

O homem de 34 anos preso por apalpar os seios de uma adolescente de 17 anos dentro de um ônibus lotado, na noite desta segunda-feira (11), em Campo Grande, diz que tocou a vítima sem querer. Ele passou por audiência de custódia e foi liberado pela justiça no final da manhã desta terça-feira (12).

Durante coletiva de imprensa nesta tarde, a delegada Francielle Candotti Santana, da DEPCA (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), onde o caso foi registrado, relatou que o homem é natural Alto Paraíso, em Rondônia, e estava desde domingo em Campo Grande.

A delegada explicou que os fatos ocorreram por volta das 22 horas, na linha 080. O veículo de transporte público estava lotado, com muitas mulheres, quando o suspeito e um amigo embarcaram, aparentemente embriagados. O autor então passou a assediar as mulheres que lá estavam.

Ele dizia que elas eram lindas e que casaria com elas, deixando-as desconfortáveis. Muitas chegaram a se afastar. Durante o percurso, uma das poltronas ficou liberada, com espaço para duas pessoas. A adolescente então sentou em um dos bancos e colocou a bolsa no outro, na tentativa de impedir que o homem se sentasse ao lado.

No entanto, ele se aproximou e pediu para sentar. Em seguida, puxou assunto, começou a dizer que a jovem era bonita, perguntou se ela tinha namorado e pediu para ficar com ela, mas ela, com medo, não respondeu. Na sequência,o homem olhou para trás rapidamente. A vítima, pensando que algo pudesse estar acontecendo, também olhou, ocasião em que teve os seios apalpados.

Ela pediu ajuda e os demais passageiros, que flagraram o ocorrido e informaram o motorista. O condutor então parou em um ponto na Avenida Afonso Pena, onde havia alguns seguranças e abriu apenas a porta da frente, para impedir que o suspeito fugisse. Os seguranças detiveram o homem até a chegada da Guarda Civil Municipal.

Para se defender, o autor alegou que estava de pé perto da vítima e que, ao puxar a cordinha para pedir para descer, o braço escapou e acabou tocando de forma involuntária o corpo da menina. Ele teve a liberdade provisória decretada e vai responder por importunação sexual.