14 de maio de 2021
Campo Grande 26º 17º

Agepen

Projeto da Agepen beneficia instituições sociais com doação de brinquedos e alimentos produzidos por

A- A+

Em Mato Grosso do Sul, o trabalho prisional mais uma vez beneficiou pessoas que realmente necessitam com a doação de brinquedos e alimentos produzidos por detentos. Nesse final de semana, o projeto Além dos Muros realizou a entrega em mais duas instituições da Capital, alcançando crianças e adolescentes.

Desta vez, os projetos Aspirante, do Jardim Panorama, e o IPI Betel/Ministério Infantil, da igreja Presbiteriana Independente, do Jardim Jacy, foram contemplados. Foram doadas bolas esportivas costuradas pelos reeducandos, panetones, mandiocas congeladas e brinquedos pedagógicos em crochê, dando continuidade às entregas realizadas no início deste mês.

Ao todo, a iniciativa realizada pela Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen), por meio da Diretoria de Assistência Penitenciária da Agepen e da Divisão do Trabalho, com o apoio de empresários e colaboradores, já beneficiou quatro entidades filantrópicas que atendem crianças e adolescentes carentes, em Campo Grande e Dourados.

Atendendo há mais de 60 crianças e adolescentes, o projeto Aspirante existe há mais de um ano de forma voluntária.

A diretora de Assistência Penitenciária, Elaine Arima Xavier Castro, ressaltou que essa iniciativa da Agepen tem o intuito de somar com o trabalho do preso, já que transmite a sensação de que estão retribuindo algo bom para a comunidade carente, e muitas vezes, os próprios filhos deles são beneficiados.

“Gostaria que houvesse essa compreensão, porque apesar de estarem em reclusão, estão sendo produtivos, trabalhando, se capacitando e produzindo em prol da sociedade e esse é o objetivo do projeto”, ressaltou.

Atendendo há mais de 60 crianças e adolescentes, o projeto Aspirante existe há mais de um ano de forma voluntária. O trabalho consiste em oferecer alimentação, atividades de entretenimento esportes, cursos de informática e musicalização. “Não realizamos apenas o assistencialismo, nossa principal função é possibilitar crescimento para o jovem e a família através de referências, valores e oportunidades”, destacou o presidente da entidade, Valdinei de Souza Batista.

A instituição acolhe crianças da região do Jardim Panorama, Noroeste e Maria Aparecida Pedrossian. Todas às quintas-feiras, oferece aulas de violino clássico e violoncelo, e aos sábados, realiza atividades recreativas e pedagógicas, além de lanche e almoço. Quem quiser ajudar com o projeto Aspirante pode entrar em contato pelo site ou pelo telefone (67) 99982-1107.

Para quem já vivenciou os dois lados garante que ver o sorriso e a felicidade das crianças é a certeza de estar fazendo a diferença na vida deles. É o que motiva a voluntária, Edimara Moura Batista, que já cumpriu pena no estado de São Paulo. “Foi assim que encontrei a oportunidade para contribuir com o futuro desses jovens, acredito que com a minha experiência posso mostrar que não vale a pena cometer os mesmos erros que cometi”, afirmou Edimara que hoje tem a certeza de um futuro diferente para ela e a filha.

O projeto IPI Betel/Ministério Infantil atende cerca de 50 crianças, de 6 meses a 11 anos.

Já no IPI Betel/Ministério Infantil, da igreja Presbiteriana Independente no Jardim Jacy, os brinquedos recebidos serão utilizados nas aulas, brincadeiras, práticas esportivas e demais atividades desenvolvidas no atendimento às crianças, a fim de alcançar um maior grau de dinamismo e eficiência.

O projeto atende cerca de 50 crianças, de 6 meses a 11 anos, dos bairros Jardim Jacy, Nha-Nhá, Pro-Morar, Guanandi, Leblon  e proximidades. Aos domingos, é ministrado ensino bíblico às crianças, bem como, desenvolvidas atividades recreativas. As doações também contribuirão para a “Segunda Divertida”, realizada pela IPI Betel, que consiste na realização de atividades físicas, brincadeiras e jogos, como vôlei, futebol, entre outros.

Durante a entrega, a chefe da Divisão de Trabalho Prisional da Agepen, Elaine Cecci, enfatizou a importância da ressocialização dos internos, oferecendo oportunidade de mudança de vida por meio do trabalho, estudo e religião. “Não existe prisão perpétua, quando eles saem precisam de uma chance e de estarem preparados para o mercado de trabalho”, disse destacando a importância de se fazer boas escolhas e plantar boas sementes para colher bons frutos no futuro.

Os brinquedos, bolas e panetones são resultado do trabalho conjunto de internos da Penitenciária de Segurança Máxima de Campo Grande, Penitenciária Estadual de Dourados, Presídio de Trânsito, Instituto Penal de Campo Grande e da Penitenciária de Três Lagoas.