16 de setembro de 2021
Campo Grande 32º 21º

Projeto

Projeto incentiva prática de atividades físicas a reeducandas da capital

A- A+

Com foco no bem-estar físico e mental, reeducandas do Estabelecimento Penal Feminino “Irmã Irma Zorzi” (EPFIIZ), na capital, estão realizando atividades orientadas com educador físico. O projeto é uma parceria da Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen) com o Ministério Salva Vidas, por meio da missionária Isabel Cândido, e existe há dois meses na unidade.

Os encontros acontecem duas vezes por mês e contam com a participação de 40 internas. As aulas se dividem em aeróbicos e treino funcional, com exercícios variados e lúdicos. Conforme o responsável pelas aulas, professor voluntário Nilton Benites de Lima, o objetivo é transmitir saúde e o conhecimento técnico durante os encontros para que possam continuar diariamente os exercícios: “Sempre deixo um dever de casa, seja uma caminhada, corrida, queimada ou algo que elas possam realmente se exercitar”, completa Nilton, que também é fisioterapeuta e responsável pelo Instituto Mundo Fitness.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o sedentarismo é considerado uma doença e seus males podem ser comparados aos do tabagismo. A atividade física regular pode evitar doenças como diabetes, hipertensão, problemas cardiovasculares e até emocionais. Além disso, estimula a liberação de serotonina no corpo, que é considerado o hormônio da felicidade, levando prazer e alegria quando se pratica atividade física.

Para motivar as detentas ainda mais com os exercícios, Nilton também pretende desenvolver diferentes atividades, como o campeonato de prancha e de cross training: “Será uma competição entre as participantes e eu vou premiar com medalhas as 15 primeiras colocadas. O exercício de prancha, por exemplo, pega diferentes músculos do corpo ao mesmo tempo, da região superior e inferior e é um campeonato que já existe no mundo todo; além disso, vamos fazer um cross training, que é um game com dez etapas e quem conseguir concluir também será premiada”, explica Nilton que atua como educador físico há 17 anos.

E esses exercícios têm feito a diferença na vida das reeducandas, é o que garante a interna Adelaine de Araújo Tenório Silva, de 24 anos: “As atividades permitem que a gente saia um pouco da rotina, ajuda a espairecer a mente, traz sentimentos lá de fora aqui para dentro. Me ajuda a ter pensamentos em um futuro diferente, alivia meu stress e por isso faço todos os dias algum tipo de exercício; me despertou realmente para algo novo”, desabafa.

Presa há três anos, a interna Fernanda de Almeida Assis, 28 anos, conta que já fazia exercícios físicos durante o banho de sol, mas era de forma aleatória. “Faço caminhada, mas realizar atividades com orientação profissional e com outras pessoas juntas é muito mais motivador e ele nos passa exercícios diferentes também a cada aula. Estou gostando muito e já sinto os benefícios, respiro melhor e vivo melhor aqui dentro”, conta a reeducanda.

Além da parte física e mental, o profissional também trabalha o espiritual com as internas. A cada encontro, uma mensagem bíblica é deixada como forma de reflexão. “Deus nos ensina que o nosso corpo é templo do Espírito Santo, então através da minha experiência consigo transmitir conhecimento a pessoas que realmente precisam e é isso que me motiva muito”, revela o educador físico, que conta com o auxílio da formanda em Educação Física, Maria Aparecida Ramos de Oliveira.

Outras ações

Além do incentivo à pratica esportiva, o Estabelecimento Penal Feminino “Irmã Irma Zorzi” (EPFIIZ) também desenvolve diversas atividades com as reeducandas com o objetivo de proporcionar oportunidade de reinserção social às mulheres privadas de liberdade. Dentre estes projetos estão o coral, diversas oficinas de trabalho como artesanato, confecção de perucas, cursos profissionalizantes, ações religiosas, dentre outras.

Servidora penitenciária e coach, Karine Godoy, ministrou palestra “Inteligência Emocional no Sistema Penitenciário”para as internas.

Há sete anos à frente da unidade penal, a diretora Mari Jane Boleti Carrilho, destaca que os desafios dentro do sistema prisional são constantes, independente da área de atuação, mas com determinação e trabalho em equipe é possível superar muitos obstáculos.

Como forma de relembrar todas as melhorias concretizadas nesse período, completados este mês, foi realizada uma apresentação de forma dinâmica pela administração da unidade e contou com a presença de representantes da diretoria da Agepen. Além disso, uma palestra com o tema “Inteligência Emocional no Sistema Penitenciário” foi ministrada pela coach e servidora penitenciária Karine Godoy.

Uma homenagem especial também foi direcionada às agentes Erenia Mareco, Célia Lino e Nair Vilela, que atuam diariamente, ao lado da direção, em prol do desenvolvimento de diferentes ações de reinserção social às detentas e melhores condições de trabalho aos agentes.

“Durante esses sete anos de trabalho árduo aqui na unidade, uma coisa que sempre prezamos é o respeito, pois com ele conseguimos manter um ambiente de qualidade e harmonioso, além de sempre nos preocuparmos em proporcionar valorização e motivação aos servidores aqui lotados”, destacou a diretora Mari Jane.