28 de outubro de 2020
Campo Grande 28º 21º

CULTURA

Seinfra repara projeto para cobertura do teatro de Arena 'Helena Meirelles'

Após 14 anos, espetáculo teatral "Cérebro Edgar" do grupo Falta Um, voltou os olhos das autoridades e levou público ao espaço cultural

O diretor-presidente da Fundação Estadual Jornalista Luiz Chagas de Rádio e TV Educativa (Fertel), jornalista Bosco Martins, e o presidente do Instituto Cultural Chamamé MS, Orivaldo Mengual, estiveram nessa semana com o vice-governador de Mato Grosso do Sul e secretário Estadual de Infraestrutura (Seinfra), Murilo Zauith, para reivindicar a instalação de uma cobertura no Teatro de Arena Helena Meirelles.

Bosco, que também é presidente de honra do Instituto Cultural Chamamé MS, contou que Zauith recebeu a reivindicação e logo determinou a um dos arquitetos dos quadros da Secretaria de Infraestrutura e análise de Estudo de Viabilidade Técnica e Financeira para elaboração de um projeto de cobertura do Teatro de Arena Helena Meirelles. A receptividade do vice-governador e secretário estadual de Infraestrutura deixou Orivaldo Mengual e Bosco Martins empolgados com a possibilidade de revitalização do Teatro.

“É mais um espaço público para a realização de eventos culturais no Parque dos Poderes. O Teatro de Arena tem capacidade para 400 pessoas e estava inativo há um bom tempo”, comentou Bosco Martins. Apesar de positiva o anúncio, há-se de relembrar ao leitor, que o teatro de Arena é o único com possibilidade de uso em Campo Grande, os demais teatros estão ou fechados ou sendo utilizados até pela administração pública municipal, como espaço da Prefeitura, o caso do Teatro do Paço, salientam os artistas locais. 

Mengual comemorou o anunciado e disse que a ideia de revitalizar o espaço atende a uma demanda grande por espaços públicos para eventos culturais e manifestações artísticas, como apresentações de música, dança e teatro.

Nos últimos 14 anos o espaço só foi utilizado duas vezes: em 2013 para a gravação de DVD do Hino de Mato Grosso do Sul pelo Coral dos Servidores, e em dezembro do ano passado, para apresentação do espetáculo “Cérebro Edgar”, do grupo Teatral Falta Um, com exposição de artes feitas por Wesley Junior.

A apresentação da peça no Teatro de Arena da TVE Cultura, segundo Tero Queiroz, autor e diretor do espetáculo, teve bom público e repercussão na imprensa estadual. “Foi um longo tempo inativo e a redescoberta desse espaço importante, com localização privilegiada, abre perspectiva a nova produções”, disse Tero Queiroz, mencionando que nada menos que 14 jornais eletrônicos abriram espaço para a divulgação e repercussão do espetáculo realizado no Teatro de Arena Helena Meirelles.

BIOGRAFIA DE HELENA MEIRELLES

A denominação do Teatro presta homenagem à violeira Helena Pereira da Silva Meirelles, nascida em Bataguassu no ano de 1924 (ela também dá nome à Concha Acústica do Parque das Nações Indígenas). A cobertura do espaço acontece a poucos anos do centenário da artista, que ficou conhecida pela habilidade no “ponteio” da viola, executando principalmente polcas, chamamés, fandangos e ritmos regionais, como o rasqueado.

Participa, posteriormente, do programa Viola, minha Viola, da TV Cultura, também apresentado por Inezita. Tornou-se conhecida nacionalmente após apresentações no programa Viola Nossa Viola, apresentado por Inezita Barroso na TV Cultura de São Paulo.

Foi eleita pela revista norte-americana Guitar Player, dedicada a instrumentos populares de corda, como uma das melhores instrumentistas, ao lado de Eric Clapton (1945), Jimmy Page (1944), B.B King (1925-2015) e Carlos Santana (1947).

Em 1994, lança, pelo selo Eldorado, seu primeiro CD, intitulado Helena Meirelles, com destaque para dois chamamés compostos por ela, “Fiquei Sozinha” e “Quatro Horas da Madrugada”, e outras músicas de domínio público, como “Araponga” e “Chalana”, sucessos de Mário Zan (1920-2006), além de histórias e causos de sua vida, nas faixas finais do CD.

Em 1996, lança Flor da Guavira, com músicas instrumentais de sua autoria e algumas canções folclóricas sul-mato-grossenses.

Helena Meirelles morreu aos 85 anos, em 2005, um ano depois do lançamento do documentário A Dama da Viola. Em 2006 outro documentário, Dona Helena, prestou nova homenagem à artista que popularizou a viola e teve sua identidade musical marcada pelas músicas sertaneja e gêneros de influências paraguaia e argentina (polca, guarânia, raqueado e chamamé). (Com Portal da Educativa).