REVIVA PMCG COMPET

MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MS

SEGOV GUERRA CONTRA O MOSQUITO AGILITÁ
sbado, 07 de dezembro de 2019

ARTIGO

Série "Santos Dumont" faz jus ao refino do inventor

Análise pelo jornalista, pós-graduado em Marketing e mestre em Produção e Gestão Agroindustrial

Por: Ariosto Mesquita (*)19/11/2019 às 11:49
ComentarCompartilhar
Foto: Divulgação

Exibidos os dois primeiros episódios da série “Santos Dumont” (falada em quatro idiomas e que estreou no Brasil no último dia 10, na HBO) o que pode ser avaliado? O refino de produção, de figurino, pesquisa e de direção de arte realmente impressiona. Para os padrões brasileiros não deixa de ser uma superprodução. Só em figurantes são mais de 1.000 pessoas envolvidas. A reconstrução física e digital das principais invenções do pai da aviação (pelo menos para os brasileiros) é de tirar o fôlego – tanto o 14 Bis quanto o Demoiselle foram reconstituídos fisicamente.

O ator João Pedro Zappa, que interpreta o protagonista na fase de vida entre 16 e 41 anos, está assustadoramente bem no papel. E não foi escolhido à toa. Assim como outros atores, ele teve de falar diversas línguas nos episódios da série, sobretudo o francês (passou por um ‘intensivão’ de cinco meses). O fato não é novidade para o ator, que já teve de falar suaíli (idioma africano) no elogiadíssimo filme “Gabriel e a Montanha”. Sua semelhança física com Alberto Santos Dumont é impactante e sua interpretação convence.

Por vezes esquecemos que se trata de uma reconstituição de época e imaginamos nos transpondo para o final do século XIX e início do XX, no coração da Europa, tal o cuidado com as locações, guarda-roupa e iluminação (que respeita a ausência de luz elétrica nas cenas noturnas, sem deixar escapar o charme parisiense da época).

Alguns encontros “inusitados” de Dumont (um dos homens mais famosos no mundo, em sua época) chama a atenção, como com o joalheiro Louis Cartier (que lhe dá um relógio de pulso masculino, objeto que o inventor ajuda a popularizar mundialmente) e com a Princesa Isabel (na época exilada na França).

Mas não vá esperando muita ação, perseguições e grandes efeitos especiais como em blockbusters arrasa-quarteirão. A série tem um ritmo todo seu e busca mergulhar no íntimo do inventor mineiro, não escondendo a timidez, suas hesitações amorosas (com Aída de Acosta, por exemplo) e sexuais (há cenas que insinuam e dão vida aos rumores sobre sua bissexualidade), apesar de sua fama de namorador. A produção nacional HBO conta com atores tupiniquins, franceses, belgas e portugueses e será exibida em 70 países.

 

Deixe seu Comentário

TV MS

05 de dezembro de 2019
Sete bairros da Capital são beneficiados com entrega de UBS no Alves Pereira 

Últimas Notícias

Ver Mais Notícias
MS Notícias - Sua Refência em Jornalismo no MSRua Rodolfo Andrade Pinho, 634
CEP 79090.050 - Vila Taveirópolis
Campo Grande/MS
 (67) 99150.1270
Editorias
Institucional
Mídias Sociais
© MS Notícias. Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvimento Plataforma