24 de novembro de 2020
Campo Grande 35º 21º

AGRESSÃO

Servidor é processado por oferecer dinheiro para quem jogar água em repórter da Globo

Servidor do Governo Federal ganha mais de R$ 6 mil por mês como "agente socioeducativo" da Secretaria de Justiça e Cidadania do Distrito Federal

Exercer o ofício de jornalista ficou um pouco mais perigoso nestes tempos em que a avenida Brasil cruzou com outras vias, digitalizadas e ferozes. Agora, um servidor público do governo do Distrito Federal (GDF) se sentiu no direito de desafiar a lei para constranger repórteres da TV Globo.

Vejam o que ele publicou no Facebook:

O autor da promessa de recompensa é Marcos Aurélio Neves do Rego Sales, que é “agente socioeducativo” da Secretaria de Justiça e Cidadania do Distrito Federal. O seu salário líquido é de R$ 6.178,73, segundo o Portal de Transparência do GDF:

No Facebook, Marcos Sales ostenta tanto a condição de funcionário da Secretaria de Justiça e Cidadania quanto uma foto em que divulga o “Aliança pelo Brasil”, o partido que o presidente Jair Bolsonaro tenta criar.

Marcos Sales responderá a processo administrativo, que vai apurar se ele descumpriu o Estatuto do Servidor Público do Distrito Federal (Lei Complementar 840/2011). O estatuto diz que poderá incorrer em “responsabilidade civil”, ficando assim sujeito aos eventuais danos materiais decorrentes do seu ato, quem praticar ato que “resulte em prejuízo ao erário ou a terceiro”.

Também considera infração “exercer atividade privada incompatível com o exercício do cargo público ou da função de confiança”, “ofender fisicamente a outrem” e “praticar ato de assédio sexual ou moral”. Ainda conforme o estatuto, a definição da sanção disciplinar deverá levar em conta a “gravidade da infração disciplinar cometida”, “o ânimo e a intenção do servidor” e “as circunstâncias atenuantes e agravantes”. As sanções vão desde a advertência até a demissão ou destituição do cargo em comissão.

O servidor Marcos Salles. Foto: Reprodução

Ao contrário deste Congresso em Foco, que pôde adotar o regime de home office para toda a equipe desde 12 de março, redes de TV são obrigadas a enviar seus profissionais às ruas para gravar externas. Nós podemos usar as imagens das TVs públicas e temos descoberto as infinitas possibilidades de chegar a bons resultados fazendo entrevistas (inclusive em vídeo) ou adotando outras formas de apuração jornalística por meios remotos. O crime da Globo é o mesmo que leva hoje bolsonaristas radicais a difamarem quase todos os veículos e jornalistas profissionais do país: não rezar na cartilha do presidente que namora a volta do AI-5 e considera a doença causada pelo coronavírus “uma gripezinha”.

Fonte: Congresso em Foco