05 de maro de 2021
Campo Grande 29º 21º

Vila Planalto

Terreno na Vila Planalto é abrigo de criminosos e animais peçonhentos há 16 anos

Câmeras da redondeza também flagram crimes que ocorrem perto do local

Os vizinhos de um terreno, localizado na Rua Seabra com Belmonte, na Vila Planalto em Campo Grande, não sabem mais a quem recorrer para que o local seja limpo. Com um ponto de ônibus em frente, criminosos se escondem no matagal para atacar mulheres, onde até tentativas de estupros já foram registradas por câmeras de segurança.

Segundo relatou uma vizinha ao Jornal Midiamax, a briga entre o proprietário e moradores já dura 16 anos. “Antes de eu mudar para cá, uma vez passou uma máquina para tirar os entulhos. Contam que baratas e ratos enfestaram as ruas e casas em volta”, lembra a denunciante, de 50 anos.

Recentemente, um vizinho cortou a grama ao lado do seu muro e um pouco do ponto de ônibus. (Foto: Whatsapp Midiamax)

Após esse fato, um morador cuidou do local, sozinho, por mais de 10 anos, mas mudou de casa. Com isso, o matagal tomou conta novamente e são, em média, R$ 1.500,00 para contratar alguém que faça a limpeza.

“Minhas câmeras de segurança já registraram mais de três casos em que homens saem desse matagal e mostram os órgãos genitais para as meninas que estão no ponto de ônibus. Uma das vezes, uma jovem da igreja vizinha pediu as imagens porque o cara correu atrás dela com o pênis de fora”, relata a moradora.

Os agentes de endemias já notificaram o proprietário e, mesmo assim, não tomou uma atitude. “Já tentaram invadir esse terreno diversas vezes, pois vive abandonado, mas na hora de limpar ninguém aparece! Pagamos tantos impostos e ainda temos que pagar por um terreno que nem é nosso?”, questiona a denunciante.

Além das tentativas de abusos sexual e assaltos, os moradores relatam que a infestação de animais peçonhentos e caramujos está insuportável. Um dos vizinhos contraiu, recentemente, dengue hemorrágica, sendo necessário receber transfusão de sangue.

Entramos em contato coma Prefeitura, mas até o fechamento da matéria não conseguimos retorno.